Connect with us

Noticia Brasil Online

O próximo processo de Lula que esta na fila é o do “Instituto Lula”

JUSTIÇA

O próximo processo de Lula que esta na fila é o do “Instituto Lula”

A vida não anda fácil para o ex-presidente que “tirou milhões da pobreza” para embolsar.

E que finge inocência porque o STF decidiu que a constatação dos crimes em segunda instância não é suficiente. Para permitir o cumprimento da pena de um dos maiores saqueadores do povo brasileiro.

Após as condenações confirmadas pelo Tribunal da Lava Jato TRF-4 nos processos sobre o Triplex no Guarujá e o Sítio em Atibaia. Somando 26 anos de prisão “que já poderia estar sendo cumprida se a prisão após segunda instância ainda fosse permitida”. O processo contra o ex-presidiário Lula que se encontra em estágio mais avançado de tramitação no Poder Judiciário é o que se refere ao chamado Instituto Lula.

Trata-se de caso envolvendo a compra de um terreno para a sede do Instituto Lula.

Contudo, essa ação penal se arrasta há mais de uma ano na Justiça paranaense devido a reviravoltas que culminaram no retorno do caso para a fase de alegações finais.

O caso tem sido marcado por muito embates entre os membros do Ministério Público Federal e os advogados do líder petista.

Levantamento realizado pelo portal de notícias O GLOBO no sistema de processo eletrônico de Curitiba (E-PROC) mostra que o caso estava “pronto para a sentença” em 5 de novembro de 2018.

Quatro dias após o então juiz Sérgio Moro comunicar sua saída da 13ª Vara Federal de Curitiba para assumir o ministério da Justiça e Segurança Pública.

Quem herdou o caso, de forma provisória, foi a juíza substituta Gabriela Hardt, que meses depois passou a ter a companhia do juiz Luiz Antônio Bonat, o qual se tornou o sucessor de Moro.

Desde que assumiu os casos da Operação Lava Jato em março, porém, Bonat não proferiu nenhuma sentença, seja de condenação ou de absolvição.

De um total de nove processos a que o ex-presidente petista responde perante a lei por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, o caso relacionado ao Instituto Lula era o segundo da fila, tendo sido aberto em dezembro de 2016, posterior apenas ao caso do Triplex.

No entanto, o processo sobre o Sítio, aberto em agosto de 2017, acabou por ultrapassá-lo.

Dentre as últimas movimentações do caso sobre o Instituto Lula, há questionamentos feitos pela defesa acerca da necessidade de acesso à perícia feita pela Polícia Federal no sistema de contabilidade paralela da Odebrecht.

Em delação, os executivos da empreiteira revelaram que registravam os pagamentos ilícitos em dois sistemas eletrônicos: Drousys e Mywebday.

Nos últimos meses, os advogados de Lula insistiram para ter acesso às informações que constam do sistema de propina, logrando êxito, no ano passado, a partir de decisão do ministro do STF Edson Fachin.

Ainda assim a defesa alegou que só pôde ver as informações de forma parcial e restrita, obtendo um novo acesso no mês passado.

Na sequência, os advogados do petista contrataram um perito e juntaram aos autos um parecer técnico que levanta suspeitas sobre autenticidade do sistema de propina da empreiteira.

Em despacho do último dia 17 de setembro, o próprio juiz Bonat sinalizou que a questão da perícia nos sistemas da Odebrecht tem atravancado o andamento do processo.

“Destaque-se que a presente ação penal está com a instrução encerrada há bom tempo e que será reaberta bastante pontualmente, apenas para a conclusão da prova pericial dos sistemas da Odebrecht”, destacou o magistrado.

A defesa de Lula também seguiu com outros pedidos ao longo deste ano que foram negados. Dentre eles, o pedido para a inclusão das conversas privadas obtidas pelo site The Intercept por meio de hackeamentos criminosos. Provas totalmente ilegais, como bem destacou o desembargador do TRF-4, João Pedro Gebran Neto, quando indeferiu o pedido.

Estima-se que, após a dicussão sobre a perícia do sistema de contabilidade paralela, o juiz Bonat abra prazo novamente para as alegações finais. Nessa fase, entra a questão do prazo diferenciado estabelecido pelo STF em decisão sobre as alegações finais de réus delatores e delatados. A Suprema Corte ainda não se reuniu para modular os efeitos de sua decisão.

Sobre a denúncia referente ao caso do Instituto Lula, sustenta o MPF que o ex-presidiário teria se beneficiado de oito contratos, que somam R$ 75 milhões, da Odebrecht com a Petrobras, no período de 2004 e 2012.

Em troca, o ex-presidente teria sido favorecido com a compra, por R$ 504 mil, de uma cobertura vizinha à dele em São Bernardo do Campo e a promessa de um terreno, de R$ 12, 5 milhões, para a construção da sede do Instituto Lula, em São Paulo.

O negócio para o Instituto, porém, não se concretizou.

Além desse caso e dos outros dois processos – Tríplex e Sítio – em que já foi condenado pelo Tribunal da Lava-Jato, o líder petista também responde a um processo em São Paulo e a outros seis no Distrito Federal. Como se diz por aí: solto sim, inocente nunca!

Informação MBL.

Comentários

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em JUSTIÇA

Em Alta

Estamos no Twitter

BRASIL

To Top