Connect with us

Noticia Brasil Online

“O Brasil vai viver uma avalanche de investimentos em 2020”, afirma Paulo Guedes

ECONOMIA

“O Brasil vai viver uma avalanche de investimentos em 2020”, afirma Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira que o Brasil vai viver uma “avalanche de investimentos” em 2020, que virão tanto do mercado interno quanto de estrangeiros. Segundo Guedes, os recursos inundarão, sobretudo, a seara da infraestrutura, principalmente do saneamento, cujo marco legal está em processo de atualização no Congresso.

Ainda de acordo com ministro, isso vai permitir que economia brasileira cresça elo menos 2% em 2020, numa projeção, segundo o próprio Guedes, conservadora.

O ministro lembrou que cerca de metade da população brasileira não tem acesso a tratamento de esgoto, conforme os dados mais recentes do Ministério do Desenvolvimento Regional. Ele afirmou ainda que o foco do BNDES agora está na atração de investimentos privados para os serviços de água e esgoto em todo o país.

— O “S” do BNDES agora é de saneamento. O Brasil tem 100 milhões de brasileiros com lixo a céu aberto, sem água, sem esgoto. Como (projeto de lei) foi aprovado agora (na Câmara), isso vai empurrar o Brasil para outro patamar. De um lado, investimentos em saneamento, de outro, investimentos em infraestrutura. Agora, vamos disparar uma onda de investimentos privados internos e internacionais.  Vem uma avalanche de investimentos no ano que vem — afirmou Guedes ao fazer um balanço sobre o primeiro ano do governo Bolsonaro, no Ministério da Economia.

Ainda segundo Guedes, o PIB brasileiro crescerá, no mínimo, 2% no ano que vem. Na avaliação do ministro, essa projeção é das mais conservadoras, e o número pode vir ainda maior em 2020.

— No mínimo, 2% ano que vem, mas deve vir mais. Será o dobro desse ano. Se for 1,2% (em 2019), será 2,4%, e isso é conservador da nossa parte —disse.

‘Spread’ injusto

De acordo com o ministro, há desafios a enfrentar — por exemplo, é preciso ainda aumentar a competição no sistema bancário para reduzir o spread, a diferença entre a taxa básica de juros da economia e o custo final do crédito para pessoas físicas e jurídicas. A Selic vai fechar o ano em 4,5%, a menor taxa da História. Por outro lado, o spread não recua no mesmo ritmo e continua a ser um dos mais altos do mundo.

— Bancos, competição. Competição para derrubar esse spread. O spread é absurdo. Está errado — disse Guedes, ao fazer um balanço de 2019, o primeiro ano de governo.

O governo tem tentado reduzir a taxa de juros para o consumidor, principalmente para pessoas físicas e pequenos empresários. O Banco Central fixar um teto de 8% ao mês para os juros do cheque especial e estuda fazer o mesmo com o rotativo do cartão de crédito Também prepara medidas para ampliar o microcrédito.

 

— Zereta para o campeão nacional. O negócio é o microcrédito — disse o ministro, citando a política de empréstimos do BNDES durante os governos do PT, voltados para grandes empresas.

Guedes também lembrou que a Caixa Econômica Federal passou a oferecer uma linha de crédito imobiliário indexado pela inflação medida pelo IPCA.

Inovamos na Caixa Econômica Federal. Criamos a indexação (do crédito) pelo IPCA. Se o banco é público, não precisa otimizar o lucro. O crédito imobiliário está bombando — completou.

Comentários
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em ECONOMIA

Em Alta

Estamos no Twitter

BRASIL

To Top