Governo do Rio é denunciado por superfaturar 200 mil cestas básicas

A compra de 200 mil cestas básicas pelo projeto Mutirão Humanitário fez o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciar o governo do Estado por compra superfaturada.

De acordo com os promotores da força-tarefa da covid-19, R$ 21,6 milhões foram gastos sem licitação devido à pandemia de coronavírus, com indícios de superfaturamento por parte da Fundação Leão XXIII, instituição ligada à vice-governadoria e responsável pela aquisição das cestas.

O Mutirão Humanitário foi lançado oficialmente em março, pelo governador Wilson Witzel, que à época, disse:

“A fome não espera. Vamos vencer juntos. Guerra não se vence sozinho, mas com toda a sociedade”

Os réus por improbidade administrativa são Andrea Baptista da Silva Corrêa e Robson Cardinelli, presidente e diretor Administrativo e Financeiro da Fundação Leão XIII, respectivamente, e a Cesta de Alimentos Ltda., que forneceu os kits.

Os promotores descobriram que 53 fornecedores cadastrados no sistema SIGA  e um de fora foram contatados por e-mail, mas apenas três retornaram, sendo a Cesta de Alimentos justamente o que não estava cadastrado e um dos que retornou.

“A 4ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania da Capital contatou 34 destas sociedades empresárias e obteve retorno de apenas 11, que disseram não terem sido consultadas pela Fundação Leão XIII, fato que comprova a má-fé dos demandados em tentar conferir legitimidade para a contratação”, relata o MP-RJ em nota.

Redação: O site NBO é um veículo comunicação independente com notícias do Brasil e do Mundo. Nossa missão é levar ao público a verdade dos fatos, sempre com informações de fontes seguras e confiáveis para você formar sua própria opinião.

This website uses cookies.