MUNDO

Irã pode estar comemorando o último aniversário de sua revolução, alerta Netanyahu

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu alertou o Irã nesta segunda-feira que este ano pode ser a última vez que comemora o aniversário de sua Revolução islâmica se ele atacar Israel.

“Eu não ignoro as ameaças do regime iraniano, mas também não sou intimidado por eles”, declarou Netanyahu em um comunicado divulgado por seu escritório enquanto o Irã celebrava o 40º aniversário de sua revolução.

“Se esse regime cometer o terrível erro de tentar destruir Tel Aviv e Haifa, não terá sucesso”, acrescentou o líder israelense.

“No entanto, este seria o último aniversário da revolução que eles celebram. Eles devem levar isso em conta”, ameaçou Netanyahu em uma clara advertência aos persas.

As celebrações culminaram no Irã na segunda-feira para o período de 1 a 11 de fevereiro de 1979, quando o falecido aiatolá Ruhollah Khomeini retornou do exílio e derrubou o xá pró-ocidental.

Com informações do Sputnik News

Maduro ordena exercícios militares na Venezuela para enfrentar os EUA

  • fev 11, 2019

O ditador venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou oficialmente neste domingo a realização dos exercícios militares de maior escala do país, de acordo com uma transmissão ao vivo do evento.

Antes do início dos exercícios, o presidente chegou ao estado de Miranda, no norte do país, para averiguar equipamentos militares, incluindo lançadores de foguetes fabricados na Rússia, usados pelas Forças Armadas da Venezuela.

Os exercícios militares durarão até o dia 15 de fevereiro e serão os maiores e mais importantes exercícios já realizados por Caracas em 200 anos de história, segundo Maduro.

A situação política na Venezuela se agravou após 23 de janeiro, quando Guaidó se declarou presidente interino do país e foi imediatamente reconhecido pelos Estados Unidos, Canadá e outros aliados dos EUA, dentre eles Brasil.

Rússia, México, China, Turquia, Uruguai e vários outros países se manifestaram reafirmando apoio a Maduro como o único legítimo chefe de Estado democraticamente eleito do país.

Com informações do Sputnik News

Grupo Terrorista Hezbollah mantem células ativas na na Venezuela

  • fev 8, 2019

O grupo terrorista Hezbollah junto com o regime islamico apoiam veementemente o regime ditatorial imposto por Nicolás Maduro na Venezuela.

De acordo com o chanceler norte-americanoMike Pompeoo grupo terrorista Hezbollah esta atuante na America do Sul com células ativas naVenezuela. Para PompeuOsEstados Unidos têm a “obrigação” de reduzir o risco de segurança regional que o grupo representa.

Numa entrevista dada à Fox Business na quarta-feira (6), Pompeo disse que a questão será discutida na semana que vem na conferência de ministros em Varsóvia sobre o Oriente Médio

Questionado se os EUA estão preocupados com a possibilidade de a Venezuela receber atores ligados ao terrorismo islâmico radical, Pompeo disse que o Hezbollah opera no país e isso representa um risco:

“As pessoas não reconhecem que o Hezbollah tem células ativas, os iranianos estão afetando o povo da Venezuela e toda a América do Sul e temos a obrigação de reduzir esse risco para os Estados Unidos e parte do que falaremos na próxima semana em Varsóvia é como fazemos América do Sul e em todo o mundo.”

Leia mais:

Mesmo tendo deixado milhões na miséria maduro se compara a Jesus Cristo

Guaidó promete reunir multidão de venezuelanos na fronteira se Maduro proibir ajuda humanitária

O líder opositor venezuelano Juan Guaidó, que se declarou presidente interino do país em janeiro, disse nesta quinta-feira, 7, em entrevista ao diário uruguaio El País que a estratégia da oposição caso o presidente Nicolás Maduro não permita a entrega de ajuda humanitária à Venezuela será reunir o máximo de pessoas possíveis na fronteira para solicitar a entrada de alimentos e remédios no país.

“O ingresso de ajuda humanitária pretende atender cerca de 300 mil pessoas que correm o risco de morrer nas próximas semanas sem acesso a remédios e alimentos”, disse. “Nosso objetivo é garantir o acesso dessa população a esses insumos. Isso significa mobilizar centenas de milhares de venezuelanos em territórios próximos aos pontos de entrega.”

Mesmo tendo deixado milhões na miséria maduro se compara a Jesus Cristo

  • fev 4, 2019

Maduro deixou a Venezuela em situação de miséria e mesmo assim tem a cara de pau de se comparar a Jesus Cristo.

“Eu sou um trabalhador como Jesus Cristo, o Salvador, e sou um cristão devotado — do coração de um cristão ao nosso Deus”, disse Nicolás Maduro neste domingo (3).

Referindo-se aos militares da Venezuela como “soldados da pátria mãe para garantir a unidade e soberania do país”, Maduro citou William Shakespeare e afirmou que o futuro do País está em risco.

Segundo o Sputnik, Maduro indagou:

“Ser ou não ser, disse o grande Shakespeare. Ser ou não ser — esse é o dilema de hoje. Ser uma pátria ou ser colônia. Ser uma Venezuela ou ser nada. Ser um povo unido e umas forças armadas ou desintegração, ser um futuro ou um desaparecimento de um sonho de mais 200 anos de idade.”

Nicolás Maduro alertou para as supostas tentativas internacionais de promover uma guerra civil em seu país, destacando que haverá “paz, e não intervenção militar”.

General da Ativa da Força Aérea venezuelana declara apoio a Juan Guaidó

  • fev 2, 2019

ntes do início dos protestos deste sábado (2), um general da Força Aérea publicou vídeo nas redes sociais reconhecendo Juan Guaidó como o presidente interino da Venezuela.

Vestindo um uniforme completo, o General de Divisão e Diretor do Planejamento Estratégico do Alto Comando Militar da Aviação, Francisco Esteban Yánez Rodríguez, disse que estava rejeitando a “autoridade irritante e ditatorial” de Nicolás Maduro.

Yánez é o primeiro militar da ativa das Forças Armadas da Venezuela a declarar publicamente seu apoio ao autoproclamando presidente interino Juan Guaidó.

EUA anuncia saída do Tratado de Armas Nucleares assinados com a Russia

  • fev 1, 2019

O secretário de Estado americano Mike Pompeo anunciou nesta sexta-feira, 1º, a retirada dos Estados Unidos do tratado sobre armas nucleares assinado com a Rússia durante a Guerra Fria. Washington acusa Moscou de violar o pacto.

Tratado de Armas Nucleares Intermediárias (INF, na sigla em inglês) foi firmado em 1987 com a antiga União Soviética. O acordo permitiu a destruição de milhares de armas americanas e soviéticas e manteve mísseis nucleares fora da Europa por três décadas.

“Os Estados Unidos suspenderão suas obrigações sob o tratado INF em 2 de fevereiro”, o que pode levar à sua retirada completa do acordo dentro de seis meses, disse Pompeo em entrevista coletiva em Washington.

O chefe da diplomacia americana, contudo, afirmou que os Estados Unidos estão dispostos a continuar conversando com a Rússia “sobre a questão do desarmamento”.

Em um comunicado paralelo, o presidente Donald Trump afirmou que o processo de retirada será “concluído em seis meses, a menos que a Rússia o respeite novamente, destruindo todos os mísseis, lançadores e equipamentos que violem o tratado”.

Trump já havia anunciado sua intenção de deixar o pacto em outubro de 2018. A decisão foi seguida por uma série de troca de ameaças entre os dois lados.

Os americanos afirmam que a Rússia vem violando o tratado desde a construção do míssil de cruzeiro Novator 9M729. Sua posição foi reforçada pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), que reconheceu que Moscou descumpre os termos com o armamento.

Segundo o pacto, todos os mísseis balísticos e de cruzeiro, nucleares ou convencionais cujo alcance estivesse entre 500 e 5.500 quilômetros deveriam ser eliminados. Os russos, por sua vez, argumentam que o míssil 9M729 tem um alcance de 498 quilômetros, dois a menos que o limite para que seja considerado uma violação.

Moscou chegou a propor que os Estados Unidos inspecionassem o armamento. Washington, contudo, recusou a oferta e alegou que os Estados Unidos pedem transparência sobre o novo míssil russo há mais de cinco anos e que a Rússia não cooperou.

O INF foi assinado em 1987 entre os então presidente americano Ronald Reagan e o líder da União Soviética Mikhail Gorbachev. O pacto encerrou a crise provocada nos anos 1980 pelo deslocamento dos mísseis SS-20 soviéticos com ogivas nucleares na Europa Oriental e dos mísseis americanos Pershing na Europa Ocidental.

Em meados de janeiro deste ano, os Estados Unidos anunciaram a conclusão da nova estratégia de defesa antimíssil para deter, entre outros, as ameaças de inimigos emergentes. Foi a primeira revisão no sistema antimísseis americano desde 2010.

A Subsecretária de Estado para Controle de Armas e Assuntos de Segurança Internacional, Andrea L. Thompson, já havia dito que se a Rússia não demonstrasse boa vontade em cooperar, os Estados Unidos poderiam iniciar pesquisas e construir mísseis proibidos pelo INF.

Segundo estimativas feitas pela Federação de Cientistas Americanos (FAS), os Estados Unidos possuem atualmente 6.550 ogivas nucleares, das quais 1.350 estão posicionadas em locais estratégicos, e a Rússia 6.850 ogivas, entre elas 1.444 posicionadas.

(Com AFP e EFE)

Maduro venderá 15 toneladas de ouro da Venezuela para os Emirados Árabes

  • fev 1, 2019

O Ditador que usurpou o poder na Venezuela ira vender 15 toneladas do ouro do Banco Central Venezuelano para os Emirados Árabes.

Conforme a publicação da Agencia Reuters a informação foi confirmada por um funcionário de alto escalão com conhecimento do plano. Esta é mais uma tentativa de Nicolás Maduro de manter a Venezuela financeiramente solvente.

A venda de reservas de ouro que sustentam a moeda local, o bolívar, começou em 26 de janeiro com um carregamento de 3 toneladas, disse o funcionário.

Ano passado também foi registrada outra exportação de US$ 900 milhões em ouro não refinado para a Turquia e os Emirados Árabes Unidos.

O economista e deputado opositor José Guerra afirmou nesta semana que um avião Boeing 777 da Rússia pousou em Caracas para levar 20 toneladas de ouro dos cofres do Banco Central da Venezuela.

 

Folha de pagamento aumenta em 304 mil nos EUA

  • fev 1, 2019

O crescimento do emprego em janeiro quebrou as expectativas nos EUA, com as folhas de pagamento não-agrícolas subindo em 304 mil, apesar de uma paralisação parcial do governo que foi a mais longa da história, de acordo com Departamento do Trabalho americano nesta sexta-feira.

A taxa de desemprego subiu para 4%, um nível em que foi em junho, um provável efeito do fechamento, segundo o departamento. No entanto, as autoridades disseram que os trabalhadores federais geralmente eram contados como empregados durante o período porque recebiam pagamento durante a semana de pesquisa de 12 de janeiro. Em resumo, o emprego do governo federal na verdade aumentou em 1.000.

Os economistas pesquisados ​​pela Dow Jones esperavam que as folhas de pagamento aumentassem em 170.000 e a taxa de desemprego permanecesse estável em 3,9%.

Parlamento Europeu reconhece Juan Guaidó como Presidente interino da Venezuela

  • jan 31, 2019

O Parlamento Europeu reconheceu nesta quinta-feira (31) o líder oposicionista Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela e pediu para que os países da União Europeia façam o mesmo. A resolução do órgão legislativo do bloco europeu recebeu 439 votos a favor, 104 contra e 88 abstenções.

A resolução afirma que o Parlamento Europeu reconhece Juan Guaidó como presidente “de acordo com a Constituição da Venezuela” e expressa “apoio absoluto a seu projeto”.

A resolução também pede que a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, e os Estados-membros da UE reconheçam Guaidó “até que seja possível convocar novas eleições presidenciais livres, transparentes e críveis para restaurar a democracia” na Venezuela.

“Da Europa, podemos ajudar a mudar o regime venezuelano e fazer entender que tiranos nunca vão conduzir qualquer possibilidade democrática”, declarou o deputado espanhol Esteban Gonzalez Pons, na sede da instituição, na cidade francesa de Estrasburgo.

“É um prazer anunciar que o Parlamento Europeu reconhece Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela. É a primeira instituição europeia a fazê-lo, pedimos aos Estados-membros e à Comissão Europeia que façam o mesmo o mais rápido possível para que tenhamos uma posição unificada e forte”, disse no plenário o presidente do Parlamento Europeu, o italiano Antonio Tajani.

Info: G1

Maduro deu calote no Brasil e se preparou para uma Guerra

  • jan 31, 2019

Maduro preparado para o conflito

O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, disse durante uma entrevista concedida à Sputnik, que recebe equipamento militar da Rússia com regularidade.

Maduro disse ainda  que tem pago todos os empréstimos feitos com o país aliado no prazo estipulado.

O calote 

A Venezuela deu um calote de quase R$ 1 bilhão no Brasil com financiamento de Obras bancadas pelo BNDES e quem pagou a conta foi o governo brasileiro, ou seja o contribuinte que bancou tudo.

Venezuela, Moçambique e Cuba deram calote no Brasil. Juntos, os três países devem (R$ 1,8 bilhão) ao BNDES

Questionado sobre a veracidade dos pedidos de ajuda à Rússia, Maduro afirmou que sempre recebeu apoio russo em todos os setores e que há de fato uma cooperação.

“Em termos de cooperação militar, temos equipamentos russos do mais alto nível, na Venezuela se encontram os sistemas de armas mais avançados, eles estão bem posicionados, todo o nosso pessoal está trabalhando, eles foram treinados na Rússia. Temos uma relação muito boa em termos de cooperação militar com Putin”, enunciou.

 

Tensão

As relações entre Brasil e Venezuela estão estreitas, o governo brasileiro ja declarou que não reconhece o atual mandato de Maduro, considerando que o país vive uma ditadura.

Maduro acusa o governo brasileiro de conspirar junto com os EUA para derruba-lo. Tanto o governo brasileiro quanto o governo americano declararam apoio ao líder da oposição venezuelana que se proclamou presidente interino da Venezuela.

Trump reconhece Líder da Oposição como presidente legitimo da Venezuela, é o fim do ditador

+Rússia alerta para banho de sangue na Venezuela; ONU pede diálogo para evitar desastre

O governo brasileiro estuda ter que intervir com missões de ajuda humanitária na Venezuela o que deixa maduro muito mais irritado.

 

Maduro pode estar enviando toneladas de Ouro da Venezuela para Russia.

  • jan 30, 2019

Uma aeronave da Rússia, que teria pousado em Caracas nesta terça-feira (29), está levantando suspeitas da Assembleia Nacional da Venezuela, de maioria opositora.

Segundo informações enviadas por funcionários do Banco Central da Venezuela, um avião chegou de Moscou para extrair pelo menos 20 toneladas de ouro.

Em mensagem publicada no Twitter, o perfil oficial da Assembleia Nacional pede explicações oficiais ao presidente do Banco Central, Calixto Ortega.

“Exigimos ao BC detalhes do ocorrido. Esse ouro não é do Calixto Ortega, é do povo venezuelano”, disse o órgão de maioria opositora ao regime de Nicolás Maduro.

Ditadura Venezuelana fez 20 mortos e 350 presos em repressão a protestos no País

  • jan 25, 2019

Em Luta o povo venezuelano enfrenta repressão de Maduro a seus opositores

Apenas nos últimos dias foram registrados ao menos 20 vitimas fatais e mais de 350 detidos na Venezuela todos integravam de manifestações contra a ditadura de Nicolás Maduro, de acordo com informações do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) nesta sexta-feira (25).

A alta comissária Michelle Bachelet pediu investigações independentes sobre o uso excessivo da força no País. Os manifestantes são constantemente reprimidos pelas forças de segurança venezuelanas e pelas milícias armadas do chavismo.

Em comunicado, segundo o “G1“, Bachelet declarou:

“Qualquer incidente violento que resulte em mortos e feridos deve ser submetido a uma investigação independente e imparcial para determinar se houve uso excessivo da força por parte das autoridades e grupos armados.”

O Alto Comissariado também fez um apelo por “conversas imediatas” para aliviar a tensão que enfrenta o país, que registrou ao longo da semana 180 protestos nas áreas mais pobres de Caracas, antes considerados bastiões do chavismo.

 

Suplente de Jean Wyllys foi acusado de espionagem pelo Reino Unido em 2013 e “envolvimento com terrorismo”

Autoridades britânicas afirmaram que o parceiro do jornalista Glenn Greenwald estava envolvido com “terrorismo” quando foi detido durante uma escala no aeroporto de Londres, em agosto, tentando transportar documentos do ex-agente de inteligência norte-americano Edward Snowden, segundo a polícia e documentos de inteligência.

O brasileiro David Miranda, parceiro de Greenwald, foi detido e interrogado durante nove horas pelas autoridades britânicas no aeroporto de Heathrow, em 18 de agosto, quando chegou em Londres, vindo de Berlim, para uma escala com destino ao Rio de Janeiro.

Após a sua libertação e retorno ao Rio, Miranda entrou com uma ação judicial contra o governo britânico exigindo a devolução dos materiais apreendidos com ele por autoridades britânicas e uma revisão judicial da legalidade de sua detenção.

Durante uma audiência nesta semana relacionada à ação de Miranda em um tribunal de Londres, um documento chamado “Folha de Circulação de Portos” foi lido para constar nos registros.

O documento foi elaborado pela Scotland Yard, em consulta com a agência britânica de contraespionagem MI5, e distribuído aos postos fronteiriços britânicos antes da chegada de Miranda. A data precisa do documento não é clara.

Segundo Documento da Scotland Yard:

A inteligência indica que Miranda provavelmente está envolvido em atividades de espionagem, com potencial para agir contra os interesses da segurança nacional do Reino Unido
Nós avaliamos que Miranda transportava conscientemente material cuja divulgação colocaria em risco a vida das pessoas
Além disso, a divulgação, ou a ameaça de divulgação, pretende influenciar um governo e é feito com a finalidade de promover uma causa política ou ideológica. Isso, portanto, corresponde à definição de terrorismo.

Miranda não foi acusado de qualquer crime, embora autoridades britânicas disseram em agosto que tinham aberto uma investigação criminal depois de inicialmente examinarem materiais apreendidos com o brasileiro. Elas não esclareceram os objetivos do inquérito.

Uma importante audiência sobre a ação de Miranda está marcada para a semana que vem. Os novos detalhes de como e por que as autoridades britânicas decidiram agir contra ele, incluindo trechos dos documentos da polícia e da agência MI5, foram divulgados durante uma audiência preparatória no início desta semana.

Autoridades britânicas disseram no tribunal que os itens apreendidos com Miranda incluíam mídia eletrônica contendo 58 mil documentos da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos e da agência britânica de monitoramento eletrônico GCHQ.

Greenwald, que já trabalhou para o jornal britânico The Guardian, reconheceu que Miranda estava transportando material fornecido por Snowden quando ele foi temporariamente detido em Londres.

Em um e-mail à Reuters, Greenwald condenou o governo britânico por rotular as ações de seu parceiro como “terrorismo”.

Disse o jornalista:

Eles estão absolutamente e explicitamente igualando o terrorismo ao jornalismo

O especialista em sigilo da Federação de Cientistas Americanos, Steven Aftergood, disse que, dada a natureza do material que Miranda estava carregando, uma resposta dura por parte das autoridades britânicas não era inesperada.

Disse Aftergood:

Parece que as autoridades britânicas estavam tentando apreender ou recuperar documentos oficiais, os quais sem dúvida reivindicam. A ação das autoridades foi dura, mas não incompreensível ou obviamente contrária à lei.

Em um documento separado lido na audiência, a MI5, também conhecida como Serviço de Segurança, indicou que o interesse das autoridades britânicas em Miranda foi estimulado por seu aparente papel de mensageiro, transportando o material de Laura Poitras, uma cineasta sediada em Berlim, para Greenwald, que vive com Miranda no Rio de Janeiro.

De acordo com o documento, descrito como “Justificativa de Segurança Nacional”, preparado para a polícia:

Avaliamos fortemente que Miranda está carregando itens que ajudarão Greenwald a revelar mais material da NSA e da GCHQ que julgamos estar em posse de Greenwald

Nossos principais objetivos contra David Miranda são compreender a natureza de qualquer material que ele esteja transportando, mitigar os riscos para a segurança nacional que este material representa

Um porta-voz da embaixada britânica em Washington não fez nenhum comentário sobre o processo judicial ou documentos.

Fonte: https://www.theguardian.com/world/david-miranda?page=7

EUA convoca reunião de Seguraça na ONU para tratar da atual situação da Venezuela

  • jan 24, 2019

Os O Governo dos EUA solicitou uma reunião do Conselho de Segurança da ONU para debater a crise na Venezuela, anunciou nesta quinta-feira (24) a missão americana nas Nações Unidas.

O encontro foi solicitado para sábado. Diplomatas indicaram que o encontro deve contar com a presença do secretário de Estado americano, Mike Pompeo. registra o G1

Nesta quarta-feira (23), Juan Guaidó  Líder da Oposição venezuelana se declarou presidente interino, do país, após isso o Ditador Nicolás Maduro, cortou relações diplomáticas com os EUA e determinou que funcionários americanos deixem o país em 72 horas.

As autoridades norte-americanas, no entanto, não reconheceram a declaração de Maduro. Pompeo disse que não acredita que o governo chavista “tenha autoridade legal para quebrar relações” com os Estados Unidos.

Emissora de TV que transmitiu juramento de Guaidó é fechada por ditadura de MaduroTodos os Direitos Reservados para República de Curitiba Editora. Proibida reprodução deste conteúdo

  • jan 24, 2019

O canal venezuelano GlobalTV que transmitiu o juramento presidencial de Juan Guaidó sofreu ataques repressivos e foi fechado pela ditadura socialista de Maduro. Ao menos 20 funcionários de “contrainteligência militar” da ditadura de Maduro estiveram presentes a sede do canal. No ato repressivo, foi apreendido o transmissor do canal de televisão, responsável por manter a emissora no ar.

Essa é a ‘regulação da mídia’ que a esquerda tanto quer.

Com Informações do Site Caneta.org

Rússia alerta para ‘banho de sangue’ na Venezuela; ONU pede diálogo para evitar ‘desastre’

A Rússia alertou nesta quinta-feira (24) que o reconhecimento do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, como presidente da Venezuela pelos EUA pode levar a um “banho de sangue” no país da América Latina. A Rússia é um dos principais aliados do regime do ditador Nicolás Maduro.
Em nota, a Chancelaria russa afirmou que os eventos na Venezuela estão atingindo um ponto perigoso e que Washington demonstrou desrespeito pela lei internacional.
“Isto é uma via direta para a anarquia e o banho de sangue”, afirmou a nota.

Moscou alertou ainda os EUA a não realizarem uma intervenção militar na Venezuela, afirmando que tal ação poderia levar uma catástrofe.
Em outra declaração, o Kremlin afirmou em nota que continua a respaldar Maduro e que tentativas de usurpar o poder na Venezuela violam a lei internacional.

O Brasil, em conjunto com 12 países da região, reconheceu nesta quarta-feira (23) Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela pouco depois de o deputado se proclamar presidente durante manifestação que reuniu milhares de pessoas em Caracas para protestar contra Maduro.
A Venezuela cortou relações diplomáticas com os EUA e determinou que os funcionários americanos deixem o país em 72 horas.
Em entrevista com o jornal russo International Affairs publicada nesta quinta, Sergei Ryabkov, vice-chanceler russo, disse que Moscou se solidariza com a Venezuela em defesa de sua soberania e em defesa do princípio de não intervenção em seus assuntos domésticos. Não ficou claro quando a entrevista foi feita.
Questionado sobre uma eventual intervenção militar americana no país latino-americano, Ryabkov disse que Washington deveria ficar de fora.
“Alertamos contra isso. Consideramos que seria um cenário catastrófico que balançaria as bases do modelo de desenvolvimento que vemos na América Latina.”
“A Venezuela é um país amigo e nosso parceiro estratégico”, afirmou ainda, sem citar Maduro. “Nós os apoiamos e continuaremos apoiando.”
Em outras declarações, parlamentares russos disseram que o apoio dos EUA a Guaidó equivale a um golpe de estado.

Também nesta quinta, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu um “diálogo” na Venezuela para evitar um “desastre” no país depois que o líder da oposição se declarou presidente interino.
“O que esperamos é que o diálogo seja possível e evitar uma escalada que nos levaria a um tipo de conflito que poderia ser um desastre para o povo da Venezuela e para a região”, afirmou no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.
“Os governos soberanos têm a possibilidade de decidir o que querem”, disse Guterres sobre os reconhecimentos internacionais dados a Guaidó.
“O que nos preocupa na situação da Venezuela é o sofrimento do povo da Venezuela”, completou.

as informações são da REUTERS e AFP