Lava Jato

Beto Richa está convicto de que logo será libertado por Gilmar Mendes

A defesa do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) disse por meio de nota que a prisão preventiva – por tempo indeterminado – do tucano nesta sexta-feira (25) afronta decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. Segundo a defesa, além disso, os fatos usados para a decretação são antigos.
Richa foi preso em casa, em Curitiba, por volta das 7h desta sexta, conforme a Justiça Federal, na deflagração da 58ª fase da Operação Lava Jato.

JUSTIFICATIVA – A prisão foi justificada com base em uma tentativa de influenciar os depoimentos de testemunhas de uma investigação de esquema de lavagem de dinheiro. A investigação que originou o mandado de prisão apura supostos crimes na concessão de rodovias do estado.
“Os fatos ora invocados já foram anteriormente utilizados, na decretação das medidas cautelares expedidas contra o ex-governador. Cumpre registrar que o Supremo Tribunal Federal, ao julgar referidas medidas, reconheceu a flagrante ilegalidade na ordem prisão decretada”, diz trecho.

LEIA MAIS: Em nota pública, Lava Jato diz que Gilmar ‘se apoderou de jurisdição alheia’ ao soltar irmão de Beto Richa

DESCUMPRIMENTO – A defesa afirma que a prisão desta sexta tem “o evidente objetivo de desrespeitar os julgamentos proferidos pela Suprema Corte sobre o tema”. Richa ficou preso por quatro dias em setembro de 2018, sendo solto após decisão do ministro.
Ainda conforme a defesa, o ex-governador esclareceu todos os fatos, “não restando qualquer dúvida quanto à regularidade de todas as condutas praticadas no exercício de suas funções”. A defesa informou que confia que a Justiça reverterá a ordem de prisão.

DIZ A DEFESA – Leia a íntegra da nota dos advogados do ex-governador Beto Richa:
“1- Os fatos que conduziram à prisão do ex-Governador são antigos. Sobre eles, todos os esclarecimentos foram por ele devidamente esclarecidos, não restando qualquer dúvida quanto à regularidade de todas as condutas praticadas, no exercício de suas funções.

2- Mais do que isso. Os fatos ora invocados já foram anteriormente utilizados, na decretação das medidas cautelares expedidas contra o ex-Governador. Cumpre registrar que o Supremo Tribunal Federal, ao julgar referidas medidas, reconheceu a flagrante ilegalidade na ordem prisão decretada.
3- Na realidade, a prisão requerida pelo Ministério Público Federal afronta o quanto decidido pelo Supremo Tribunal Federal, com o evidente objetivo de desrespeitar os julgamentos proferidos pela Suprema Corte, sobre o tema.

VEJA TAMBÉM: Gilmar Mendes arquiva inquérito que investigava há ‘OITO ANOS’ o senador Romero Jucá

4- No mais, o pedido se lastreia em ilações do MPF, exclusivamente suportadas em falsas e inverídicas informações prestadas em sede de colaboração premiada, por criminosos confessos.
5- Em síntese, a prisão se baseia em fatos absolutamente requentados, carentes de qualquer comprovação e sobre os quais o Supremo Tribunal Federal já decidiu, no sentido de que os mesmos não justificam a decretação de prisão.
6- A defesa confia que o Poder Judiciário reverterá a ordem de prisão, que não atende a qualquer dos pressupostos exigidos em lei.”

A rede corrupta de Lula na América Latina

  • jan 14, 2019

O Globo, em editorial, festeja o julgamento de mais um comparsa de Lula que participou do esquema de propinas da Odebrecht e da OAS:

“O Equador prepara o julgamento por corrupção do ex-presidente Rafael Correa, de seu vice, Jorge Glas, e de mais sete ex-ministros e ex-secretários. Esse país de 16 milhões de habitantes, cuja economia tem porte equivalente à do estado do Espírito Santo, foi governado por Correa entre 2007 e 2017. A dimensão do legado de corrupção de Correa surpreende.

O ex-presidente, na década passada, foi um ícone de parte da esquerda que, patrocinada em petrodólares pelo venezuelano Hugo Chávez, propagandeava o breviário bolivariano no cenário político da América do Sul. No Brasil, o governo do PT foi além, com Lula abrindo os cofres do BNDES e privilegiando empresas como a Odebrecht em ‘parcerias estratégicas’ com Chávez e Correa.”

A caixa-preta do BNDES tem de ser aberta diretamente na cadeia.

Na volta do recesso, Lava jato prepara um “combo” e deve prender ex-presidentes da República, diz Jornalista

O jornalista Ricardo Cappelli afirma que a lava jato prepara um “combo”, no retorno do recesso, cujo objetivo seria prender ex-presidentes da República.

“Com o fim do recesso judiciário a Lava Jato e suas ramificações devem voltar a operar com força máxima.
Alcançaram seus objetivos e vão refluir? Não creio. Uma nova leva de prisões “espetaculares” não seria surpresa. Circulam boatos de que pode acontecer um “combo”, com outros ex-presidentes presos de uma só vez”, escreve Cappelli.
O articulista não declina quais ex-presidentes iriam fazer companhia a Lula, em Curitiba, mas de antemão especula-se em Brasília que seriam os ex-presidentes José Sarney, Fernando Collor de Mello e Michel Temer.
Fonte: Blog do Esmael

Em alegações finais, “CAPATAZ” de Lula complica ainda mais a situação do petista

Ex-SEGURANÇA de LULA pede ABSOLVIÇÃO sob a ALEGAÇÃO de que “APENAS CUMPRIA ORDENS”
O FATO notório é que Rogério Pimentel CONFIRMOU os CRIMES praticados pelo LULADRÃO

EM ALEGAÇÕES FINAIS, o ex-segurança do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ROGÉRIO AURÉLIO PIMENTEL, COMPLICOU AINDA MAIS a SITUAÇÃO do PETISTA.

PIMENTEL REITEROU tudo o que já havia dito em seu depoimento, CONFIRMANDO que RECEBIA ENVELOPES de DINHEIRO da ODEBRECHT, CUMPRINDO ORDENS EXPRESSAS de dona MARISA LETÍCIA.

O ex-segurança se auto intitula “CAPATAZ” das OBRAS do SÍTIO e PEDE a ABSOLVIÇÃO por NÃO ter ENVOLVIMENTO na ATIVIDADE CRIMINOSA ou em QUALQUER tipo de ACERTO ENVOLVENDO PROPINA, pois não tinha nenhum conhecimento sobre a origem ilícita dos recursos.

O MINISTÉRIO PÚBLICO, implacável, QUER a CONDENAÇÃO do ex-segurança, SUSTENTANDO que ELE teria AJUDADO a OCULTAR as VANTAGENS INDEVIDAS da OAS, Odebrecht e Schahin.
Independente de ser culpado ou inocente, o FATO NOTÓRIO é que ROGÉRIO PIMENTEL CONFIRMOU os CRIMES PRATICADOS pelo ex-presidente LULA. ( as informações são do Jornal da cidade online)

Defesa de Lula apresenta ‘alegações finais’ do Sítio de Atibaia e cita Tiradentes: “O enforcado que virou herói”

A defesa de Lula apresentou dia (7) as chamadas ‘alegações finais’ referentes ao processo do Sítio de Atibaia.
O ex-presidente é acusado de lavagem de dinheiro e corrupção passiva pelas reformas executadas no imóvel.
Uma banca composta por 10 advogados protocolou o documento pedindo a absolvição do réu por “insuficiência de provas” e “atipicidade das condutas” do processo.

Já na primeira página do documento, uma fala de Lula é citada:
“O herói não é o cara que enforcou Tiradentes. Foi o enforcado que virou herói”.
Será que o petista tá pedindo para ser enforcado ???
Uma curiosidade: No dia 19 de abril de 1789, Joaquim José da Silva Xavier (o Tiradentes) foi condenado à morte pelo crime de lesa-majestade (traição) … quanta coincidência!

Críticas a Sérgio Moro
Zanin, que é o líder da trupe de causídicos, criticou o ex-juiz da Lava Jato.
“Prática de atos por este Juízo, antes e após o oferecimento da denúncia,
que indicam a impossibilidade de o Defendente obter julgamento justo, imparcial e independente; magistrado que presidiu a fase de investigação atualmente é ministro do governo do Presidente eleito a partir de sufrágio que impediu a participação do Defendente …”

Trocando em miúdos:
Moro não foi justo em seu julgamento porque atualmente ele é ministro da Justiça
Agora a referência a Bolsonaro:
” … até então líder disparado em todas as pesquisas de opinião — a partir de atos concatenados praticados ou com origem em ações praticadas pelo mesmo juiz; Governo Federal sob a condução de Presidente da República que anunciou que iria “fuzilar petralhada” e que o Defendente deve “apodrecer na cadeia” e que seus aliados têm a opção de “deixar o país ou cadeia”, diz o documento.”( as informações são do diário do Brasil)

Aviso aos navegantes: Lava Jato vai detonar uma bomba antes do Carnaval

Em entrevista ao Estado, Pozzobon afirma que Moro no governo Jair Bolsonaro (PSL) e parte dos cabeças do “modelo Lava Jato” de força-tarefa em sua equipe devem mudar o cenário de combate à corrupção “para o prisma legislativo, para o prisma de política pública”. Combater a corrupção no Brasil hoje, com as “lacunas e falhas” da atual legislação criminal e penal, é como “enxugar gelo”, diz. O procurador prometeu novidades antes do carnaval na operação, falou sobre Lula, apurações sobre rodovias e políticos do PSDB, dos riscos de retrocesso e fez um balanço da Lava Jato em 2018 e expectativas para 2019.

O procurador Roberson Pozzobon avisa: “Pode ter certeza que em 2019 haverá novas fases da operação. A população pode esperar ainda antes do carnaval novas medidas da Lava Jato, medidas importantes no combate à corrupção, investigação de grandes esquemas de corrupção. Estamos agora em recesso, que encerrou em 6 de janeiro. A partir de agora, a operação Lava Jato segue a pleno vapor.”
A Lava Jato deflagrou 57 fases desde 2014 e muitas terão desdobramento este ano.

Juiz Antônio Bochenek citado para assumir Lava Jato é mais ‘linha dura’ que Moro

Um dos nomes mais citados no meio jurídico para assumir a 13ª Vara de Curitiba é o do juiz federal Antônio César Bocheneck, da 2ª Vara Federal de Ponta Grossa (PR).

Bocheneck foi presidente da Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil) no biênio 2014-2016 e atualmente preside o Instituto Brasileiro de Administração do Sistema Judiciário (Ibrajus).

Ele e Sérgio Moro estiveram no Senado, em 2015, para defender o endurecimento do Código Penal.

Também em 2015, o magistrado escreveu (junto com Moro) um artigo para o Estadão defendendo o endurecimento para crimes do colarinho branco:

“O Brasil vive momento peculiar. A crise decorrente do escândalo criminal assusta. Traz insegurança e ansiedade. Mas ela também oferece a oportunidade de mudança e de superação. Se a crise nos ensina algo, é que ou mudamos de verdade nosso sistema de Justiça Criminal, para romper com sua crônica ineficiência, ou afundaremos cada vez mais em esquemas criminosos que prejudicam a economia, corrompem a democracia e nos envergonham como País.”

A partir da saída ‘oficial’ de Moro, que só poderá ser publicada no Diário Eletrônico da 4ª Região, o TRF-4 deverá abrir um processo informando que há uma vaga aberta.

Quem poderá participar são apenas os juízes federais da região sul do Brasil […] entre os interessados, assumirá aquele que tiver o maior tempo de magistratura.

Bocheneck é juiz federal desde 2000, portanto são 18 anos de magistratura.

Enquanto a substituição não é feita, a magistrada Gabriela Hardt, substituta de Moro, fica à frente dos processos.


fonte da informação: O Globo

Gleisi visita Lula em Curitiba e diz que: ‘agora ex-presidente está preocupado com a Economia’

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, e o ex-governador Jaques Wagner visitaram no fim da tarde desta quinta-feira (03) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A eles, Lula disse estar “muito preocupado” com a situação econômica do Brasil e pediu que a senadora e o ex-governador fizessem junto à população um amplo debate sobre o desmonte do atual governo.

“Lula está preocupado com o Brasil, se disse desconjurado com a situação da economia brasileira, não pode acreditar que chegamos ao tal ponto”, disse Gleisi, após deixar a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, aonde o ex-presidente está preso desde o dia 7 de abril.

Só para lembrar-vos; Lula está preso em Curitiba e Jair Bolsonaro é o atual presidente da República do Brasil.

Gabriela Hardt autoriza depoimento de Palocci em Brasília sobre desvios em Fundo de pensão

A juíza federal Gabriela Hardt, que substitui Sergio Moro na Lava Jato, autorizou Antonio Palocci a depor na semana que vem, em Brasília, sobre desvios em fundos de pensão estatais, informa o G1.
Como revelou O Antagonista em dezembro, o Ministério Público no Distrito Federal quer fechar um novo acordo de delação do ex-ministro dentro da Operação Greenfield.

Preso, Lula custa R$ 10 mil por dia e já consumiu R$ 2,7 milhões

Se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve acesso à TV para assistir a posse de Jair Bolsonaro na Presidência da República, com direito a ver William Bonner fazer continência no final do programa, deve ter ficado, no mínimo, enciumado com a pompa da cerimônia.
Preso na Polícia Federal, em Curitiba, Lula sequer teve uma boa feste de passagem de ano, pois a programação para lhe dar as boas vindas no Ano Novo foi pífia com poucas pessoas à frente da PF.
Isso não desanimou o líder que enviou mensagem à militância pedindo firmeza na resistência ao governo de direita do capitão Jair Bolsonaro. Na festa para Lula, divulgada pelas redes sociais pelo candidato derrotado nas eleições, Fernando Haddad, teve uma ausência notada: a do próprio Haddad.

Como desgraça pouca é bobagem, o jornalista Cláudio Humberto publica em sua coluna de hoje, no Diário do Poder, o custo Lula ao país com sua “hospedagem” na Polícia Federal, em Curitiba: custou ao contribuinte R$ 2,70 milhões desde a prisão em 7 de abril.
A estimativa de custo diário de R$10 mil foi da própria PF. Esse valor é maior que os R$ 2,45 milhões gastos na campanha presidencial mais barata da História, de Jair Bolsonaro, antítese do ex-presidente presidiário.
Os cofres públicos bancam os gastos com Lula, mas a campanha de Bolsonaro foi custeada por pequenas doações. A PF estima em R$ 10 mil diários o custo para manter Lula fora de presídio. O custo médio dos presos no Brasil é de R$ 2,5 mil por mês. A presença de Lula exige destacamento de agentes extras e sistema de segurança reforçado.
Preso em Curitiba, o condenado por corrupção e lavagem de dinheiro fica em sala individual, com TV e banheiro, incluindo água quente.( as informações são do paraná portal)

Sérgio Moro já prepara Lei anticrime e reorganização da Lava Jato

Em Brasília desde a tarde de segunda-feira, 31, Moro passou as últimas horas antes da posse do presidente Jair Bolsonaro no hotel, onde trabalhou no seu projeto de lei e definiu as primeiras medidas a serem tomadas após assumir a pasta. Saiu apenas na noite da virada para ir até a casa de familiares de um amigo delegado, na Asa Norte, onde foi servido rocambole de camarão e peixe.
A presença de Moro no café da manhã no hotel em que está hospedado, no Setor Hoteleiro Sul, causou comoção na terça-feira, 1º, entre os hóspedes e fez com que em poucos minutos um grupo de apoiadores chegasse à frente do local e começasse a gritar “Moro, eu te amo”.
Uma das metas do ex-juiz da Lava Jato, agora como ministro responsável pela Polícia Federal, pelo Conselho de Controle de Atividade Financeira (Coaf) e pelo Departamento de Recuperação de Ativos (DRCI) é reunir no texto a ser enviado ao Congresso a proposta de consolidação da execução da pena após a sentença em segunda instância, hoje na dependência de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), e uma sobre a prisão imediata em casos de crimes contra a vida julgados pelo Tribunal do Júri.
Com a aprovação da proposta sobre a prisão após condenação em segunda instância, Moro pretende acabar com a insegurança jurídica que na última semana do Judiciário resultou na decisão do ministro Marco Aurélio Mello suspendendo a prisão em segunda instância. No entendimento dele, foi a possibilidade de prisão após julgamento em órgão colegiada um dos fatores primordiais para o sucesso de grandes operações de combate à corrupção como a Lava Jato.
Sobre a prisão nos casos julgados em tribunais de júri, o objetivo é dar uma resposta para o exorbitante número de crimes contra a vida, como homicídios e latrocínios.
Outro ponto a ser abarcado pela proposta é regulamentação técnicas de investigação que visam possibilitar uma atuação mais eficiente das polícias judiciárias, a Federal e as estaduais, no combate ao crime organizados. Entre essas propostas estão a regulação da utilização de escuta ambiental e, também, de operações policiais disfarçadas.
No caso das duas propostas, o foco são as facções criminosas e organizações ligadas aos narcotráfico. Essas ferramentas de investigação, no entendimento do juiz, se somam à colaboração premiada e demais ferramentas já regulamentadas após a lei 12.850/2013, a lei de organização criminosa.

Lava Jato tenta identificar quatro dos cinco políticos que receberam de R$ 3 mi pagos pela Odebrecht por projeto no Senado

Lava Jato identificou quatro dos cinco políticos que receberam propina da Odebrecht por projeto no Senado: Romero Jucá, Renan Calheiros, Delcídio do Amaral e Gim Argello — Foto: Pedro França, Leandro Abreu e Giuliano Gomes / Agência Senado, G1 MS, PR Press e GloboNews

O político indicado nas planilhas da empreiteira pelo codinome de “Glutão” teria recebido R$ 3 milhões em Brasília em maio de 2012, mas a Polícia Federal ainda não sabe de quem se trata.

Os valores teriam sido pagos pela aprovação do projeto de resolução do senado 72/2010, que limitou a concessão de benefícios fiscais pelos estados em portos a produtos importados. O caso ficou conhecido como “Guerra dos Portos” e beneficiou diretamente uma das empresas do grupo Odebrecht, a Braskem.

Em 12 de dezembro, a PF pediu ao relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Edson Fachin, mais 60 dias de prazo para conclusão das investigações.

O objetivo dos policiais é cruzar dados da perícia com provas coletadas na Operação Armistício, realizada em 8 de novembro e que recolheu informações de supostos intermediários de Jucá, Renan e Gim Argello.

Ministros em xeque! Delações de Orlando Diniz e Palocci causam pânico em advogados e togados

A Lava Jato indaga sobre os advogados de Lula, diz a Crusoé.

A reportagem de capa da Crusoé é sobre a Lava Toga, que pode ser desencadeada pelos depoimentos de Orlando Diniz, da Fecomércio.

Escritórios ligados a pelo menos dois ministros do STJ receberam mais de 13 milhões de reais da entidade, no período em que ela protagonizou uma guerra de liminares no tribunal.

Há mais operações obscuras e pendentes de investigação no rol de desembolsos.

A banca que agora defende Lula, de Roberto Teixeira e Cristiano Zanin, amealhou nada menos que 38 milhões de reais para um contrato destinado a obter uma “solução política” nos tribunais – e incluiu até a intermediação de um doleiro.

Os investigadores descobriram que Orlando Diniz contratou o escritório de Cristiano Zanin porque queria uma solução “política” para um de seus pleitos, conforme depoimento de assessores da Fecomércio.
De início, Diniz bancou a empreitada com dinheiro próprio. Para isso, levantou 1 milhão de reais em cash e levou o dinheiro até São Paulo com a ajuda de um doleiro. Como o valor foi insuficiente, ele passou a recorrer ao caixa da Fecomércio.

Outra delação que preocupa muito é a de PALOCCi. São 800 páginas que comprometem muitos políticos corruptos, corruptores e judiciário.

A dupla Bolsonaro e Moro nem assumiu ainda e o estoque de RIVOTRIL já acabou. A Lava Toga deverá desnudar os RATOS do judiciário. É muito rábula togado que já está com taquicardia. Veremos que aqueles que se julgam “deuses” são mais podres do que empresários e políticos juntos.

 

PGR denuncia Temer por corrupção e diz: “presidente está no “epicentro” do “sistema criminoso”

No apagar das luzes do calendário do Judiciário, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, apresentou nesta quarta-feira (19) uma denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito do inquérito dos Portos, que apura se houve favorecimento a empresas do setor portuário na edição de um decreto de 2017.

Documento

Além de Temer, foram denunciados João Baptista Lima Filha, o coronel Lima, amigo pessoal do presidente, Carlos Alberto Costa, sócio de Lima, o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures e os empresários Antônio Grecco e Ricardo Mesquita, ambos da Rodrimar.
Esta é a terceira vez que o presidente é denunciado pela PGR.
Para Dodge, Temer vem recebendo vantagens indevidas “há mais de 20 anos” e a “edição do Decreto dos Portos (Decreto nº 9.048/2017) é o ato de ofício mais recente identificado, na sequência de tratativas ilícitas que perduram há décadas.”
De acordo com Raquel Dodge, a investigação comprovou que Temer, o coronel reformado da Polícia Militar João Baptista Lima Filho e Carlos Alberto Costa, “atuando de modo concertado e em unidade de desígnios desde 31/08/2016 até o momento, ocultaram valores de pelo menos R$ 32.615.008,47, “provenientes diretamente de crimes contra a Administração Pública praticados por membros de organização criminosa por meio de empresas de fachada”.
Para a procuradora-geral da República, ficou comprovada na apuração a longa relação estabelecida entre Temer e Antônio Celso Grecco “sob a forma de sistema de corrupção, no padrão contacorrente, tendo como nicho de atuação o setor portuário, especialmente o Porto de Santos, que culminou na edição do Decreto nº 9.048/2017”.
“MANDATÁRIO”. Ao apresentar a denúncia contra o presidente da República ao STF, Raquel Dodge frisou que o coronel Lima ocupa “lugar de destaque” no esquema.
“Ele atua como mandatário de Michel Temer, apresentando-se há décadas como homem de confiança de Temer em diversas ocasiões. João Batista Lima Filho tem atuado em todas as relações comerciais entre Michel Temer e empresários do setor portuário, dissimulando sua existência, natureza e efeitos”, diz Dodge.
Até a publicação deste texto, o Palácio do Planalto não havia se manifestado. A reportagem tenta contato com as outras defesas.

Deltan Dallagnol critica marco Aurélio e diz que decisão que segundo ele vai contra a segurança jurídica e o princípio da colegialidade

Deltan Dallagnol critica decisão de Marco Aurelio de liberar condenados em 2ª instância, que segundo ele vai contra a segurança jurídica e o princípio da colegialidade. Em coletiva da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, procurador diz que espera que STF reverta a decisão.

Após decisão de Marco Aurélio, Soltura de Lula está nas mãos da Juíza Carolina Lebbos

Após decisão de Marco Aurélio, defesa de Lula pediu a soltura do ex-presidente Lula. Caso fica com a juíza de execução da pena Carolina Moura Lebbos. Não há prazo.

Se a Dra.Carolina Lebbos não segurar essa onda, o Brasil vai pegar FOGO

URGENTE! – Marco Aurélio Mello acabou de soltar LULA

A pedido do PC do B, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello autorizou a libertação de condenados que não tenham os respectivos casos com trânsito em julgado, ou seja, daqueles que ainda têm a possibilidade de recorrer em alguma instância.

A medida pode beneficiar o ex-presidente Lula, condenado em 2ª instância pelo caso do tríplex de Guarujá
“Defiro a liminar para, reconhecendo a harmonia, com a Constituição Federal, do artigo 283 do Código de Processo Penal, determinar a suspensão de execução de pena cuja decisão a encerrá-la ainda não haja transitado em julgado, bem assim a libertação daqueles que tenham sido presos, ante exame de apelação, reservando-se o recolhimento aos casos verdadeiramente enquadráveis no artigo 312 do mencionado diploma processual. 4. Submeto este ato ao referendo do Plenário, declarando-me habilitado a relatar e votar quando da abertura do primeiro Semestre Judiciário de 2019. 5. Publiquem.”