CURIOSIDADE

Os mais variados assuntos de Curiosidades para você se divertir e conhecer coisas incríveis, historias, relatos, fatos desconhecidos e muito mais!

Homens aprendam estes comportamentos que vão te ajudar a atrair mulheres

A atração é uma coisa complicada e confusa. O que uma pessoa acha atraente pode ser revoltante para outra, especialmente quando se trata de aparência (afinal, a beleza está nos olhos de quem vê). Mas quando se trata de atração, a maneira como as pessoas se comportam é tão importante quanto a aparência física. Claro, todos nós temos diferenças e preferências diferentes, mas acontece que existem alguns comportamentos que são quase universalmente atraentes para as mulheres.

Conversamos com os especialistas, incluindo psicólogos, especialistas em relacionamento e casamenteiros, para descobrir que comportamentos atrairão uma mulher do seu jeito e que vão mandá-la correndo para as colinas. Seja sua primeira vez, um primeiro encontro, ou vocês estão juntos há muito tempo, adicione esses comportamentos ao nosso repertório e mantenha sua protagonista favorita voltando para mais. Estes são os comportamentos que mais atraem as mulheres.

Seja um cavalheiro

Eles dizem que o cavalheirismo está morto, mas talvez essa raridade seja exatamente o motivo pelo qual esse comportamento antiquado é tão atraente. A casamenteira Bonnie Winston  disse ao The List : “Um homem que é cavalheiro, como evidenciado por manter as portas abertas, etc., é algo antiquado, mas nunca sai de moda”. Pode parecer que isso é algo que todos nós aprendemos com o que os filmes dizem que um relacionamento deve ser, mas acontece que há mais do que isso.

Lisa Concepcion, treinadora certificada de amor-vida, revelou  a o site The List : “Em um nível fisiológico primitivo, as mulheres querem se sentir protegidas e atraídas por um homem que as faz sentir seguras”. De acordo com ela, os homens também gostam de sentir que estão sendo cavalheirescos porque estão preparados para serem protetores. Ela revelou que os homens gostam quando as mulheres permitem que eles façam coisas como abrir portas e jarras apertadas. Ela continuou: “Apesar de ter evoluído da era dos dinossauros, ainda temos necessidades inatas ligadas à nossa fisiologia”.

Fazendo contato visual

Em um mundo onde a maioria das pessoas está ligada a seus telefones e pode ser encontrada olhando para baixo, em vez de ao redor, é fácil sentir-se negligenciado ou sem importância, mesmo em um encontro. De acordo com Winston, é por isso que fazer contato visual é tão importante e por que as mulheres acham tão atraente, especialmente nos dias de hoje. Ela revelou: “Um homem que faz contato visual é muito sexy, na verdade, é o comportamento mais sexy que um homem pode fazer com uma mulher”.

Ouvir isso, pessoal? Ela disse a coisa mais sexy, então anote! Não há nada mais sexy do que sentir que alguém está te ouvindo e é exatamente isso que isso faz para as mulheres. Winston continuou: “As mulheres querem sentir que os homens são investidos nelas e [fazer contato visual] faz com que elas se sintam ouvidas, compreendidas e valiosas”. Fazer contato visual também é fácil de fazer, por isso, coloque o telefone longe e realmente ouça o que a mulher do outro lado da mesa está lhe dizendo.

Tome a iniciativa

 

Se você já esteve em um encontro com alguém que não podia (ou não queria) tomar decisões sobre a data, você sabe como isso pode ser frustrante. Não é divertido ser sempre a pessoa que decide o que você vai fazer e para onde vai, e é por isso que as mulheres acham atraente quando um parceiro em potencial toma a iniciativa e realmente participa da data.

De acordo com Sarah Rose Marcus , candidata a PhD na Rutgers University, cuja pesquisa se concentra em namoro online , “As mulheres estão procurando por homens que estejam dispostos a participar e iniciar atividades interessantes em datas, porque é um indicador de que eles se empenharão para o relacionamento “. Não só as mulheres querem um encontro que tome a iniciativa dessa maneira, de acordo com Marcus, elas também querem alguém que esteja disposto a tentar algo que seja importante para a mulher, mesmo que esteja fora de seus interesses habituais. Falando sobre os participantes em seu estudo, Marcus acrescentou: “Eles queriam alguém que respeitasse seus hobbies, como ir a eventos de serviço.

Tempo de qualidade supera presentes aprenda o que é e também como aproveita-lo

Falando de hobbies e passando tempo fazendo coisas divertidas juntos em encontros, Marcus também compartilhou que sua pesquisa revelou que as mulheres estão procurando por um parceiro que se preocupa mais com experiências do que com presentes. De fato, seus participantes ficaram desconfortáveis ​​quando uma data ou um parceiro “os cobriu com presentes caros e férias adiantadas”.

Ela continuou: “Eles prefeririam mais tempo de qualidade sobre itens materiais, especialmente nas fases iniciais, quando eles ainda estão se conhecendo.” Claro, os filmes frequentemente mostram que as mulheres estão procurando rosas, jóias e todo tipo de presentes, mas as mulheres do mundo real são muito mais complexas do que isso. Eles estão procurando por conexão.

Então, antes de reservar o jato particular para levar seu interesse amoroso para Paris , passe algum tempo conhecendo-a. E antes de apresentá-la com essa joia linda, certifique-se de que ela sabe que gosta de passar tempo com ela (e que ela também gosta de passar tempo com você).

Mostre competência

Não há nada como um parceiro que realmente conheça as coisas deles. Para realmente ver alguém em seu elemento, apaixonada e excelente, é algo que as mulheres acham particularmente atraente. De acordo com Raffi Bilek, um conselheiro de casais e diretor do Baltimore Therapy Center , “qualquer comportamento em que um homem demonstra competência é aquele que pode ser atraente para as mulheres. As mulheres são atraídas por homens que estão preparados para ter sucesso.” pode ser definido “.

Bilek compartilhou que não importa muito o que um homem é super competente, apenas que ele é competente e tem um local para brilhar. Ele continuou: “Uma mulher pode achar um homem atraente quando brilha como orador público ou quando conserta um carro que ninguém mais poderia consertar em tempo recorde. Ele pode demonstrar competência como um veterinário acalmando um cão ansioso, ou como um computador técnico, fazendo o maldito programa funcionar. Qualquer coisa que um homem faça onde ele se destaca, não importa o quão mundano possa parecer, pode ser excitante para as mulheres! ”

Esta não é uma revelação chocante: ninguém quer ser enganado. Este pode parecer um acéfalo, mas a honestidade e a transparência em namoro e relacionamentos podem ser complicados. Quanto é muito para compartilhar na frente? Como você pode saber se alguém está sendo honesto com você se você acabou de conhecê-los?

E por fim seja honesto

A psicóloga clínica e especialista em relacionamentos, Dra. Carla Marie Manly, disse que as mulheres estão certas em estarem atentas à desonestidade em um encontro. Ela disse: “Se surgir algum padrão de desonestidade ou falta de transparência, isso é um sinal de sérios problemas subjacentes”. Então, como você pode dizer se alguém é honesto, transparente e confiável? Procure as pequenas pistas, não mentiras descaradas.

De acordo com Manly, “um homem que é honesto e confiável será naturalmente oportuno, verdadeiro, confiável e estável”. Ainda assim, algo como comparecer a um encontro atrasado não é necessariamente um problema, mas se o motivo de estar atrasado parece algo que só aconteceria em um filme ou programa de TV, tome nota. Um homem que é honesto sobre a razão que ele está atrasado para um encontro é muito mais atraente do que um homem que aparece tarde e faz desculpas extravagantes.

Publicado originalmente em: /www.thelist.com

 

Homem oferece mais de R$1 milhão para quem se casar com sua filha

  • mar 11, 2019

Pai milionário oferece enorme soma para ‘homem diligente’ para casar sua filha de 26 anos de idade

Arnon Rodthong, de 58 anos, é um multi-milionário tailandês em uma missão.Ele administra uma fazenda de frutas durian na província de Chumphon, no sul da Tailândia, e tem uma família numerosa. Mas o rico empresário, não contente com a conquista do mercado de venda de frutas, voltou suas atenções para sua filha solteira: ele está oferecendo 10 milhões de baht tailandeses (aproximadamente US $ 316.000) e todo o seu patrimônio para o futuro marido de seus 26 anos. filha de idade, Karnsita.

Karnsita não é filho único de Rodthong. Ele também tem filhos, que tradicionalmente herdariam os negócios da família. Mas em um movimento polêmico, Rodthong decidiu  que, assim que sua filha casar com um homem bom, “eu vou desistir de todos os meus bens para ele”. Talvez a lealdade de Rodthong esteja com sua filha e sua futura prosperidade enquanto ela o ajuda a administrar a família. negócios, fala fluentemente inglês e chinês, e nunca teve um namorado.

Não é incomum que futuros maridos paguem um dote para suas futuras esposas na Tailândia. Mas, neste caso, o produtor de frutas endinheirado virou a mesa, sugerindo que ele renunciaria ao dote tradicional para o homem certo. E o homem certo pode ser quase qualquer um, parece. Rodthong não especificou uma nacionalidade, apenas que o homem deveria “trabalhar duro e fazer Karnsita feliz”. Rodthong, um budista e um amante confesso de amuletos de ouro, está totalmente preparado para se separar de sua riqueza para ver sua filha casada bem. .

Existem alguns critérios, no entanto. “Eu quero alguém para cuidar do meu negócio e torná-lo passado”, Rodthong compartilhada . “Eu não quero uma pessoa com um diploma de bacharel ou mestrado ou filósofo. Eu quero um homem diligente.

Talvez sem surpresa, desde que publicou sua barganha bizarra na mídia social, as respostas foram inundadas. O que Karnsita faz de tudo isso? Karnsita afirma que ela está sobrecarregada por todo o assunto, em grande parte devido ao fato de que seu pai nunca lhe contou sobre isso: seus amigos notaram o post e informou-se. “Eu descobri pela primeira vez sobre o posto do meu pai quando meus amigos me mostraram”, revelou Karnsita. Mas, felizmente, ela continuou: “Fiquei surpresa, mas também consigo ver o lado engraçado disso”.

No momento da escrita, Karnsita ainda é solteiro. Mas e o marido dela e seu futuro potencialmente próspero? Bem, Karnsita tem seus próprios planospara o dinheiro de seu pai: ela “gostaria de usá-lo para a cirurgia plástica na Coréia.” A de bom humor de 26 anos de idade compartilha alguns dos valores familiares de seu pai, no entanto. Sobre o tema de seu futuro marido, ela esclareceu : “Eu só quero que ele seja uma pessoa diligente e boa que ama sua família”.

Para toda a família Rodthong, desejamos-lhe boa sorte com o seu empreendimento completamente estranho! Que Karnsita encontre seu homem, e Rodthong, o diligente e durão que sempre sonhou.

Mulher da a luz a sete crianças em parto normal e passa bem

  • mar 7, 2019

Você ja pensou que louco seria uma gravidez de sete gêmeos de uma só vez? Pois é isto aconteceu com um casal que não queria filhos.  Eles tiveram bebes de uma unica vez e o caso viralizou na internet

Uma mulher deu a luz a sete crianças sendo seis meninas e apenas um menino  e caso chocou a internet,  o casal vive em um vilarejo iraquiano mas sua historia ganhou o mundo.  Eles são os primeiro da região a gerar “septuplets”.  Pelo que se sabe ate o momento os iraquianos não desejavam ter filhos. No entanto apos ter relações sem usar preservativos receberam uma baita surpresa.

Qual a chance disso se repetir? 

A probabilidade de uma gravidez múltipla de gêmeos é uma em 80, uma em 8 mil é trigêmeos e uma em um milhão é em quadrigêmeos. Por outro lado, a probabilidade de ter mais quadrigêmeos é tão baixa que é difícil encontrar estatísticas precisas. Então pode-se imaginar o quão raro é este caso.

LEIA MAIS

Estudo da NASA afirma a possibilidade de haver vida aeróbica em Marte

+Mulher de Boechat se despede do marido e adeus emociona: ‘Era um ateu que praticava o amor”

Seis meninas e um menino 

De acordo com as informações preliminares, dos sete bebes apenas um é menino. Depois de tornar seu caso conhecido em todo o mundo, a família iraquiana tornou-se uma celebridade em seu país como o primeiro caso de septuplets.

Estado de saúde da mãe

A mulher teve um parto normal e, assim, baniu a ideia de necessariamente ter que recorrer à cesárea nesses casos. O hospital relatou que a mãe de 25 anos está em ótimas condições de saúde.

 

 

 

Celso Daniel: Livro revela detalhes assustadores sobre o cadáver do PT

Um fantasma ronda o Partido dos Trabalhadores: o fantasma de Celso Daniel. O ex-prefeito de Santo André, um dos homens mais carismáticos do PT, seria um dos primeiros na escala de sucessão de Lula, ombreando Dirceu e Palocci, quando tudo parecia bem e o PT é quem falava em “ética” e “contra a corrupção”. Foi seqüestrado, barbaramente torturado e assassinado assim que tentou rever o modelo de corrupção do partido no ABC paulista onde o PT nasceu.

Celso Daniel, que morreu há 15 anos nesta semana, hoje é usado até mesmo como verbo. Com tantos casos de mortes obscuras envolvendo pessoas que poderiam causar problemas ao PT, hoje podemos dizer que vários foram celsodanielizados. É a fatal gripe de Santo André. Eu celsodanielizo, tu celsodanielizas, ele celsodanieliza. De Toninho do PT, prefeito de Campinas morto um ano antes, cujo luto foi sufocado por ter morrido nas vésperas do atentado do 11 de setembro, até casos recentes, há um sem número de pessoas que atrapalharam o projeto de poder do PT que aparentemente foram celsodanielizadas.

O risco de celsodanielização é tão gritante que quase não há coragem sequer para comentar o caso sem se sentir em uma mira, mormente citando nomes que os brasileiros praticamente sabem que estão envolvidos no caso. Essa coragem, verdadeira virtude da fortaleza, foi assumida por Silvio Navarro, editor da revista Veja, e pelo editor Carlos Andreazza, que lançaram uma das maiores bombas literárias de 2016, o livro Celso Daniel: Política, corrupção e morte no coração do PT (ed. Record).

Fruto de anos de investigação, o livro consegue realizar exatamente a maior dificuldade que uma investigação policial enfrenta: ligar os pontos. Fatos e notícias sobre o caso Celso Daniel pulularam nesta última década e meia, e não pararam até hoje, mas o grande empecilho para o esclarecimento de meandros ainda nebulosos é unir informações tão díspares, variando de uma gangue de ladrões de carros na Favela Pantanal, na divisa entre São Paulo e Diadema, a intrincadas CPIs nas páginas de política, envolvendo nomes que variam de petistas poderosos como ministros, donos de jornais e blogs usados como fonte por jornalistas e um sem número de pessoas cercando o ex-presidente Lula.

O livro de Navarro se torna um acontecimento literário, e não apenas mais um livro de torcida política, não apenas por trazer detalhes inéditos, imagens, transcrições de documentos que são completamente desconhecidas do público: seu livro nem mesmo gasta muitas páginas com as aborrecidas questões político-partidárias já conhecidíssimas do caso, e sim em criar uma narrativa eletrizante sobre o seqüestro do ex-prefeito de Santo André por bandidos e como e por que a polícia nunca conseguiu “fechar” toda a história.

Há uma fórmula manjada nos clássicos da literatura policial, de que um investigador particular decifra o caso, enquanto a polícia está ocupada em produzir documentos. O caso de Celso Daniel é ainda mais escabroso: Silvio Navarro explica justamente o que confunde a polícia, o quanto a história deu torções, o absurdo montante de “meras coincidências” que envolveram o assassinato e, sobretudo, o pós-assassinato, com o PT no poder – e como a polícia, que na maior parte do tempo agiu com exímio profissionalismo, não pôde traduzir para a linguagem forense o que qualquer análise que reúna os pontos pode notar que aconteceu, mas sem poder mostrar “coincidências” em um Boletim de Ocorrência.

Como a linguagem comum é a usada todo dia pelas pessoas, e não a linguagem jurídica-forense, inevitavelmente o povo sabe mais sobre o assassinato de Celso Daniel do que o que pode ser dito tecnicamente. O caso virou o maior tabu para petistas: um caudatário do PT, hoje, só pode é não comentar o assunto de maneira nenhuma, pois não há vivalma (e mortos não contam histórias) que acredite na tese de “crime comum”.

O livro de Silvio Navarro se torna assim um thriller de tirar o fôlego, como só um país de literatura amputada como o Brasil pode oferecer: a realidade, contada pela não-ficção, não é apenas mais estranha do que a ficção e sua busca por verossimilhança, mas se torna urgente pela falta de elucidação do caso e, com raríssimos romancistas, é a única matriz narrativa do país.

Celso Daniel jantou no restaurante Rubayat da alameda Santos com seu amigo Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, que também morreu no hospital em setembro último logo após o livro ser lançado. Sombra seria ouvido novamente pela polícia, dado que o STF recusou a tese da defesa, de anular completamente o processo, exigindo que se voltasse à fase de interrogatórios. A conversa envolvia uma mudança na relação da prefeitura com as empresas de ônibus das quais recolhiam dinheiro, e das quais Sombra, sócio de Ronan Maria Pinto, era um dos donos. O prefeito havia sido avisado pela cúpula do PT pouco antes de que Lula faria a então campanha mais cara da história, finalmente com chance real de sucesso à presidência, e Celso Daniel logo seria um poderoso ministro. Era preciso deixar as contas da prefeitura com aparência de honestidade. A mudança de tom de Celso já alertara Sombra semanas antes.

Ambos saíram na Pajero de Sombra, que foi ao volante. Ao passar pela região de Três Tombos, no caminho para Santo André, o Pajero foi perseguido. Tiros foram disparados, mas o carro só parou quando foi bruscamente fechado. Sombra mudaria sua versão da narrativa para a polícia várias vezes a partir deste ponto. Suas marchas teriam falhado em uma subida. O sistema de travamento das portas teria falhado com as batidas sucessivas, mesmo que Sombra, heroicamente, tenha tentado reacioná-lo. A porta do passageiro abriu e Celso Daniel foi levado.

A quantidade de erros, incoerências, falhas, tergiversações e voltas na narrativa para o que aconteceu a seguir atrapalhou tanto a investigação que apenas criminosos comuns foram presos, mas o saldo de mortes que se seguiu é um enigma tão grande que só pode ser provisionalmente ignorado para se continuar acreditando no PT.

Celso Daniel foi levado por uma quadrilha de assaltantes da favela Pantanal. Os relatórios da polícia e os testemunhos dos envolvidos confundem carros, pessoas, locais, roupas, cores, tudo. A perícia acabou por descobrir que nem mesmo o travamento das portas estava falho, ou houve qualquer problema com o câmbio da Pajero. Celso Daniel parecia estar com mais inimigos do que imaginava no momento.

É curioso observar algumas notícias aparentemente banais na época, relidas pelo prisma da distância histórica. Por exemplo, lembrar que os primeiros a falar em “crime político” foram… os petistas. Com o calendário eleitoral próximo, foi José Dirceu o primeiro a criticar que “assassinaram dois prefeitos do PT”, e queria “irresponsável” não explorar politicamente a tragédia. Com a crise de segurança em São Paulo na época, estado controlado pelos tucanos, a Folha também estamparia que o caso piora a crise na segurança do estado. O mundo daria muitas voltas.

A quadrilha da Favela Pantanal é o primeiro centro de investigação de Silvio Navarro, que consegue uma riqueza de detalhes a respeito de seus membros espantosa. Ainda mais espantosa é uma mera coincidência bem bizarra sobre Ronan Maria Pinto, preso na ominosa Operação Carbono 14 da Lava Jato. Hoje dono do Diário do Grande ABC, jornal que antes era o mais robusto investigador do caso, e também acusado de ter cobrado do PT para não incriminar Lula no caso,

Ronan Maria Pinto era responsável por quarenta dos 123 contratos de transporte público de Santo André, dono de dezessete empresas do setor em 2002. Um de seus sócios era Ozias Vaz, o amigo íntimo para a casa de quem Sérgio Sombra fora logo depois que deixou a delegacia, na noite do sequestro de Celso Daniel. Ozias frequentava regularmente um salão de beleza na favela Pantanal, cuja cabeleireira era irmã de Perninha, encarregado da pintura de seus ônibus. Na funilaria de Perninha, um dos funcionários mirins era o menor C. W., acusado mais tarde de roubar a Blazer usada no rapto do prefeito de Santo André.

Explicar por que um riquíssimo empresário do ramo de transportes freqüentaria um salão de beleza em uma favela, com proximidade a quem esteve envolvido no seqüestro do prefeito, que logo se descobriria ter sido encomendado por um “peixe grande”, é uma das coisas que certamente só pode ser explicada pela Teoria da Mera Coincidência.

Outro detalhe curiosíssimo que Silvio Navarro aponta é que o principal mandante da quadrilha da Favela Pantanal, Ivan Monstro, exigiu que todos os pertences de Celso Daniel ficassem sob sua guarda, exceto um envelope pardo grande, com papéis que Celso Daniel carregava (que misteriosamente continuaram em suas mãos mesmo após a perseguição, o tiroteio e a porta aberta). Esse deveria ser queimado imediatamente. Por que um seqüestrador “comum”, que supostamente nem deveria saber quem estava seqüestrando, exigiu tal coisa mal vendo o envelope, é um mistério insondável.

A quantidade de dados que Silvio Navarro consegue explicar, que nem mesmo quem mais leu notícias sobre o caso conhece, surpreende pela pesquisa – e pelos buracos de queijo suíço na narrativa comum do crime. De todos os feitos do livro, juntar as peças do quebra-cabeça (fora ser um livro de puro destilamento de adrenalina) são méritos incríveis. Como por exemplo nunca terem usado os telefones para precificar o resgate do prefeito. Ou suas roupas terem sido misteriosamente trocadas quando encontraram o seu corpo, como sua cueca atestou. A miríade de informações desencontradas que Navarro conta surpreendem até quem imagina não ser capaz de surpresas no PT, mesmo no caso Celso Daniel.

O clima de caçada que se seguiu, colocado em um filme, seria criticado como inverossímil, algo que na vida real nunca aconteceria. A favela foi achada por um bandido atrapalhado ter ligado por alguns segundos o celular de Celso Daniel. Os seqüestradores e assassinos da favela Pantanal escapariam inúmeras vezes da polícia por ações dignas de filme de espionagem, ou de comédia pastelão.

Uma das peças-chaves para elucidar o caso, Dionísio de Aquino Severo, que merece dois capítulos exclusivos, teve um destino de épico de Michael Bay: o homem que provavelmente foi um dos primeiros a serem acionados para capturar o “peixe grande”, armando o seqüestro do prefeito de Santo André, fugiu de helicóptero de um presídio em Guarulhos, para logo ser colocado em outro, diante do então incipiente PCC. O resultado seria extremamente parecido com as notícias recentes sobre o grupo criminoso.

O violentíssimo Dionísio, numa das mais prosaicas e felizes coincidências da vida, pouco tempo antes havia sido visto na prefeitura de Santo André por seu advogado. Vestindo um terno alinhado, avisou que havia abandonado o crime por conseguir um emprego. O advogado, Adão Nery, depois recuaria na declaração, dizendo-se intimidado por um homem ligado ao PT. O emprego, conforme eletrizantes declarações desencontradas para a Justiça, seria como um dos chefes de segurança de Sombra.

As mortes misteriosas que se seguiram foram mais do que uma carnificina. Até o garçom que serviu a s refeições de Sombra e Celso Daniel no Rubayat, que poderia ter ouvido algo revelador, foi assassinado. O PT sempre tratou tudo como um crime comum, mas prefere não ter de comentar o caso nunca, por ninguém comprar a historieta. Há motivos sobejantes: não há tantos “suicídios” e “assassinatos comuns” pela Teoria da Mera Coincidência assim.

O livro de Silvio Navarro sobre Celso Daniel é um achado literário no jornalismo investigativo brasileiro: um estudo com tantos detalhes, e com um tema de tamanha importância nacional que, fosse americano, seria um forte candidato a um Pulitzer.

É uma obra capaz, senão de elucidar o maior quebra-cabeça do noticiário político-criminal do país, mostrar justamente por que a polícia não consegue prender pessoas envolvidas até o pescoço no maior assassinato político do país, mesmo quando as relações promíscuas, para dizer o mínimo, são tão óbvias.

Celso Daniel nas páginas de Ronan Maria PintoÉ curioso notar como Celso Daniel, diga-se, ganhou projeção protestando contra o aumento das tarifas de transporte público na década de 80 – o mesmo tema que geraria a quase revolução de junho de 2013, e o tema que definiu simplesmente todas as eleições para a prefeitura de São Paulo (muito mais do que saúde ou educação) desde os anos 80 até Fernando Haddad. Sua medida, na época, foi enxugar o salário do funcionalismo público e vender à iniciativa privada a companhia municipal de ônibus – o que o PT passaria por décadas a fio chamando de “neoliberalismo”, ou “entreguismo” ou “privataria”, criando toda sorte de movimentos pela estatização completa do transporte.

O modelo que o PT fez para sua “privatização” particular se livrou da péssima gestão estatal, preferindo cobrar propinas de empresários do ramo, que logo veriam a felicidade de oferecer um serviço tão péssimo quanto o Estado, mas tendo todas as licitações vencidas por mero acaso quando pagam propina para o partido no poder. São cortantes as passagens sobre como Ângela Gabrilli, irmã da futura deputada federal tucana Mara Gabrilli, sofreu com a trupe de Celso Daniel e do PT ao prestar serviços no ABC. Com agravantes imediatos: Sombra e o supersecretário Klinger Luiz de Oliveira andavam armados. Sombra era ex-segurança. Mas por que Kingler usava uma arma?

Celso Daniel claramente criou e permitiu um propinoduto “altruísta” em Santo André, quando se tratava de dar dinheiro ao partido e manter o Estado aparentemente atuando no azul – naquilo que seria o primeiro embrião do mensalão e do petrolão, que não foi abortado a tempo. Contudo, alertado por Lula de que precisaria ter um caixa mais limpo, tomou um caminho diverso de outro prefeito petista com o mesmo “dilema” (no caso, com empresas de saneamento básico), Antonio Palocci: ao invés de permitir ainda mais esbórnia para apagar as primeiras, recusou que o dinheiro tomado por propinas fosse usado para fins pessoais, e não apenas para o partido ou as contas públicas.

Lixo, aliás, também houve em Santo André, com a Target Tecnologia e Serviços. A campanha do prefeito, repetindo um script hoje manjado, também seria paga com dinheiro de propinas. Um sindicalista foi assassinado a tiros dentro de sua sala. A polícia concluiu que fora uma briga de sindicalistas.

O impressionante clima de desalento do livro é notado quando se percebe que as pessoas que mais friamente usaram de mortes, seqüestros, ameaças e extorsão para atingir seus objetivos eram sempre incensadas quando tratadas pela imprensa, como pessoas “éticas”, honradas e ilibadas, capazes de trazer progresso à administração pública. Muitos são jornalistas que, quando não são respeitados, são usados como fonte por outros respeitados. Outros são “empresários” com vínculos estatais ou políticos graúdos com poder e dinheiro até hoje.

Sobre os “três mosqueteiros de Santo André” (Sombra, Ronan e Kingler) e seus emissários para lavar dinheiro no exterior, alguns dos parágrafos mais reveladores do livro falam por si:

Em 2006, a cozinheira Zildete Leite dos Reis, que trabalhava em um bufê que servia Arcanjo, e um ex-segurança  afirmaram à CPI dos Bingos que haviam visto os três mosqueteiros de Santo André reunidos com o bicheiro.

O guarda-costas iria além: disse ter presenciado uma reunião na qual Sérgio Sombra pediu apoio para organizar o sequestro de Celso Daniel, que descobrira o “caixa 3” montado para que ele, Ronan e Klinger ficassem com uma parte dos recursos desviados e destinados ao PT – dinheiro que era lavado com a ajuda das conexões de Arcanjo.

Zildete acusava o bicheiro de ter encomendado a morte de seu irmão. O depoimento dela, entretanto, não seria levado a sério porque falou que outros petistas graúdos também teriam se encontrado com Arcanjo, como os ex-ministros Antonio Palocci Filho e José Dirceu, o braço direito de Lula, Paulo Okamotto, o ex-deputado Bispo Rodrigues e até o traficante Fernandinho Beira-Mar. Os senadores consideraram que tudo aquilo fosse ficção.

Hoje, só tais palavras seriam o sobejante para se rever tudo o que se pensou saber sobre Celso Daniel, e que até agora ainda não se sabe.

A quantidade de informações sobre o caso Celso Daniel, sua narrativa fluída e a atualidade do caso – como Sombra ter morrido pouco depois do livro ir a público – mostra a urgência do trabalho de Silvio Navarro. Um livro que, sozinho, pensando-se nas conseqüências de tudo o que se lê, é capaz de explicar por que o apelo do PT e da esquerda, com sua retórica sobre Estado corrigindo a “desigualdade” com “serviços públicos”, é capaz de apenas aumentar a desigualdade entre a população e os gestores do Estado, não permitindo ao povo escolher onde colocar seu dinheiro tomado por impostos e como todas as notícias sobre o caso acabam sendo abafadas, quando se compra também os jornais.

Sombra foi defendido por um dos advogados mais caros do Brasil, o criminalista Roberto Podval, que também defende Lula. Nunca enfrentou júri popular. Foi solto por decisão monocrática de Nelson Jobim, durante as férias do Judiciário.

E um dos maiores mistérios sobre o caso, tratado como nota de rodapé, é analisado em cruéis detalhes de revirar o estômago: por que o celular do deputado estadual petista Donisete Pereira Braga, até 2016 prefeito de Mauá, foi flagrado nas cercanias do cativeiro de Celso Daniel – e por que, além de tantas ligações pela madrugada em Embu para Sombra, recebeu três cheques do mesmo Sombra. O Tribunal de Justiça arquivou o caso, por considerar as provas insuficientes.

O PT, como mostra Silvio Navarro, conseguiu encerrar o caso dois meses depois do assassinato. É surpreendente, na obra do editor de Veja, como a Justiça é célere quando se trata de livrar petistas, e como petistas ricos freqüentam até favelas e terrenos baldios que servem de cativeiro quando há úteis criminosos por perto, tudo por mera coincidência.

 

Trans-idade: Empresário de 69 anos entra na justiça para ter 20 anos a menos

Emile Ratelband é um empresário conhecido na Holanda. Palestrante motivacional, ele dá palestras sobre “positividade”. Agora, ele quer ser reconhecido como um homem 20 anos mais jovem, embora sua certidão de identidade afirme que ele tem 69.

Munido de um exame médico, que comprovaria sua “idade biológica” compatível com alguém de 45 anos, Ratelband entrou com um processo judicial para que sua documentação seja alterada. O objetivo de baixar pelo menos duas décadas na documentação seria “conseguir mais trabalho e atrair mais mulheres”.

“As pessoas transexuais agora podem ter seu gênero alterado em sua certidão de nascimento e, no mesmo espírito, deve haver espaço para uma mudança de idade”, argumenta. Como teve o primeiro pedido negado por um cartório local, resolveu recorrer ao tribunal da província holandesa de Gelderland.

À imprensa ele contou que nasceu em 11 de março de 1949, mas diz que se sente pelo menos 20 anos mais novo. Sendo assim, quer mudar sua data de nascimento para 11 de março de 1969. Ele exibe o “check up” feito recentemente, que serviria como sua maior “testemunha”.

“Quando lembro que tenho 69 anos, sinto-me limitado. Se tenho 49 anos, posso comprar uma casa nova, dirigir um carro diferente. Eu posso pegar mais trabalho. Se uso o Tinder e digo que tenho 69 anos, não recebo uma resposta. Quando tiver 49 anos, com o rosto que tenho, ficará mais fácil”, discursa.

Ratelband diz ainda sofrer “discriminação” por causa de sua idade. Ele reclama que as empresas não querem contratar alguém com a idade de um aposentado. Acredita ainda que a mudança seria uma boa notícia para o governo, já que ele estaria renunciando ao dinheiro que recebe de aposentadoria.

O juiz que recebeu o processo disse entender o pedido de Ratelband, já que agora as pessoas poderiam mudar seu gênero, o que seria impensável antigamente. Contudo, vê problemas práticos em permitir que as pessoas mudassem sua data de nascimento e isso significaria excluir legalmente parte de suas vidas. O veredito deve sair dentro de quatro semanas.

Revista indica Thammy Miranda a prêmio de homem mais sexy do ano

.

Thammy Miranda, filho da cantora Gretchen, foi escolhido como um dos 50 nomes que disputarão o título de homem mais sexy do Brasil pela revista Istoé Gente.

Entre os candidatos, estão nomes Yudi Tamashiro, Evaristo Costa e Neymar. Até o momento, Carlinhos Maia lidera a disputa com cerca de 60 mil votos, seguido por Jonas Sulzbach (23,6 mil) e Caio Castro (17,1 mil).

A votação foi aberta no último dia 1º, e será possível votar no site da revista até o próximo dia 30. O resultado oficial será divulgado em 5 de dezembro.

No momento em que está matéria foi publicada, Thammy aparece na 15ª posição, apenas 700 votos atrás de Cauã Reymond, e à frente de nomes como Reynaldo Gianecchini, e Rodrigo Santoro, Lázaro Ramos e Klebber Toledo.

Na sexta-feira (2), Thammy compartilhou em seu Instagram o resultado de seu mais recente procedimento estético, uma harmonização facial.

 

Maricy Vogel, Astróloga mais famosa do mundo previu: “Moro em ascensão, Lula mofando na cadeia e Trump reeleito”

Em outubro de 2016, Maricy Vogel, uma das astrólogas mais conhecidas em todo o mundo, foi entrevistada por Amaury Junior.

A brasileira, que reside em Miami, fez algumas previsões envolvendo a política brasileira para o ano de 2017:

Março de 2018 – Bolsonaro presidente

A astróloga voltou a ser entrevistada por Amaury Junior e o apresentador foi direto ao ponto:

“Quem é que você viu que será o próximo presidente do Brasil?”

Maricy Vogel respondeu:

“Eu leio o mapa astral de todos os candidatos e devido ao que está acontecendo no céu (se referindo aos astros), Saturno entrará em Capricórnio e isso significa CONSERVADORISMO …  direita, valores, família, tradição e quem vai levar a presidência chama-se Jair Bolsonaro”

Ela também fez questão de ressaltar que não tem ligação com políticos:

“Não sou paga por nenhum político, eu sou apolítica e não faço nenhum trabalho para ninguém …”

Novembro de 2018

Maricy retornou ao programa de Amaury Junior (há cerca de 10 dias) e fez novas revelações. Anotem aí:

► Vários políticos que perderam a imunidade parlamentar (foro privilegiado) irão para Curitiba.

► Sérgio Moro pegará o retorno de ‘Júpiter’ e se elevará em 2019.

Lula continuará preso, terá mais penas e continuará na cadeia por muito tempo.

 Donald Trump será reeleito em 2020

► Falta pouco para a Venezuela iniciar uma nova fase e Maduro sair do poder

► Três ministros do STF serão trocados em 2019

► Sérgio Moro será indicado para um cargo de alto escalão e aceitará a proposta

► 2019 será regido por leis, ética, moral, bons costumes e juízes

Brasil espera bater recorde de doação de órgãos em 2018

  • set 28, 2018

O Ministério da Saúde espera atingir, até o final do ano, o maior número de doação de órgãos desde 2014. Entre janeiro e junho deste ano a pasta registrou crescimento de 7%, em relação ao ano passado, no número de doadores efetivos de órgãos – aqueles que iniciaram a cirurgia para a retirada de órgãos com a finalidade de transplante.

O número de doadores no primeiro semestres passou de 1.653 em 2017 para para 1.765 em 2018 e a expectativa é chegar a 3.530 até o final do ano. O Ministério da Saúde estima que vai alcançar recorde nos transplantes de fígado (2.222), pulmão (130), coração (382) e medula óssea (2.684), até o final de 2018.

Entre os órgãos que tem mais demanda do que oferta para doação, o pulmão é o que apresenta maior defasagem, segundo o presidente da Associação Brasileira de Transplante de Orgãos (ABTO), Paulo Pêgo Fernandes. A demanda potencial desse órgão para atender uma população de 210 milhões de pessoas seria de 1,6 mil doações. “A maior defasagem teórica entre o número de transplantes realizados e o número de transplantes necessários é o de pulmão, é o que necessitaria aumentar mais a oferta. O transplante de pulmão exige mais atenção, poucos estados fazem. É um órgão que exige mais cuidado e tratamento mais adequado do doador”, explica Fernandes.

A expectativa do Ministério da Saúde é realizar 24,6 mil transplantes até o final do ano, sendo 8.690 de órgãos sólidos (coração, fígado, pâncreas, pulmão, rim e pâncreas) – maior número dos últimos oito anos. Os transplantes de córnea apontam redução em 2018 em razão da redução da lista de espera em alguns estados. Amazonas, Ceará, Goiás, Pernambuco e Paraná são considerados em situação de lista zerada com relação ao transporte de córnea.

Rio de Janeiro – O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva inaugura ala com quatro novos leitos, no Centro de Transplante de Medula Óssea (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Centro de Transplante de Medula Óssea do Instituto Nacional de Câncer, no Rio de Janeiro – Tânia Rêgo/Agência Brasil
Lista de Espera
A lista de espera registrou queda de 6% em relação ao mesmo período ano passado passando de 44.005 parar 41.266 o número de pessoas que aguardam por uma doação de órgãos no país. Apesar da diminuição em relação ao ano anterior, a lista ainda está acima dos patamares atingidos em 2016 (41.052 ) e 2015 (41.236).

“Houve um aumento de casos da lista de 2017 e uma redução em 2018, estabilizando se você considerar os últimos anos. Precisamos priorizar as campanhas, conscientizar a população e fazer essa relação direta com as famílias para que a gente possa aumentar tanto o número de doadores quanto o de transplantes para reduzir efetivamente os números”, afirmou o ministro da Saúde interino, Adeílson Cavalcante.

Para o presidente da ABTO as campanhas ajudam, mas tem limitações. Ele aponta como medidas efetivas para aumentar o número de doações de órgãos o treinamento de equipes multidisciplinares de saúde com relação ao diagnóstico de morte encefálica e a criação de centros regionais de transplante.

“Você tem quem treinar pessoas a nível de Brasil inteiro no sentido dessa questão: de fazer diagnóstico e de saber como conversar, explicar essa situação para os familiares. Outra questão são os centros regionais de transplante, porque o fato de o país ser muito grande, dependendo do órgão você não consegue transportá-lo do Norte para o Sul a tempo, ficaria muito tempo fora do corpo e, com isso, inviável para utilização”, afirma Fernandes.

O Ministério da Saúde informou que repassa recursos para estados e municípios qualificarem profissionais de saúde envolvidos nos processos de doação de órgãos e tecidos. O orçamento federal para esta área é de R$ 1 bilhão. A pasta diz que vai ofertar 74 oficinas de capacitação para 4 mil médicos até 2020 em atendimento à nova resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) para o diagnóstico da morte encefálica.

Estrutura de atendimento
O Sistema Único de Saúde (SUS) é o maior sistema público de transplante do mundo sendo responsável por cerca de 96% dos transplantes realizados no país. O Sistema Nacional de Transplantes é formado pelas 27 Centrais Estaduais de Transplantes; 13 Câmaras Técnicas Nacionais; 504 estabelecimentos e 851 serviços habilitados; 1.157 equipes de transplantes; 574 Comissões Intra-hospitalares de Doações e Transplantes; e 72 Organizações de Procura de Órgãos (OPOs).

Transporte
As companhias de aviação civil transportaram, entre junho de 2016 até junho deste ano, a partir do termo de cooperação firmado com o Ministério da Saúde, 9.236 órgãos sólidos (coração, fígado, pâncreas, rim e pulmão) e tecidos. Em relação ao primeiro semestre deste ano, houve crescimento de 6% em comparação ao primeiro semestre de 2017, passando de 2.327 itens transportados, entre órgãos, tecidos e equipes para 2.474. Já a FAB transportou entre junho de 2016, quando saiu o Decreto Presidencial nº 8.783, de junho de 2016, até junho deste ano, 513 órgãos sólidos (coração, fígado, pâncreas, rim e pulmão) e tecidos.

*Colaborou Débora Brito

Temer diz que indústria do petróleo está voltando a acreditar no país

  • set 28, 2018

O presidente Michel Temer disse que as reformas feitas na economia do país estão trazendo segurança para que o investidor volte a investir e ter lucros. Um sinal disso, apontou, foi a presença marcante, depois de anos de ausência, de investidores de mais de 30 países no Rio Oil & Gas 2018, que terminou hoje (27) no RioCentro, zona oeste da cidade, após três dias de debates e de exposição.

“As pessoas voltaram, e este retorno nós o recebemos com muita alegria. De volta neste momento, convenhamos, de fundado otimismo. A presença de cada um dos senhores e senhoras mostra que acreditam no Brasil que estamos construindo”, afirmou, ao participar do encerramento do encontro.

O presidente Michel Temer discursa na cerimônia de encerramento da Rio Oil and Gas 2018, no Riocentro, em Jacarepaguá.
O presidente Michel Temer discursa no encerramento da Rio Oil & Gas 2018 – Fernando Frazão/Agência Brasil

Temer destacou que, nas viagens que faz por vários países, nota uma avaliação que não costuma ver dentro do Brasil. Segundo ele, há um caso permanente de pessimismo interno, que não verifica fora do Brasil. “Nas várias reuniões que frequento, e não foram poucas, neste período, verifico um otimismo extraordinário daqueles que veem esse novo Brasil, ou seja, o Brasil do século 21. Não podemos permitir que ninguém que venha à frente faça o nosso país retornar ao século 20. Temos que continuar no século 21, e nesse sentido o setor de óleo e gás é fundamental nesta trilha do progresso e do desenvolvimento”, afirmou.

O presidente fez questão de destacar que foi o atual ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, que o convenceu, na época em que ainda era vice-presidente, a fazer contato com representantes da indústria de óleo e gás para conhecer as dificuldades do setor.

Naquele momento, segundo Temer, foram identificadas algumas medidas necessárias que foram adotadas pelo governo após ele assumir a presidência. “Nossa indústria de petróleo e gás recobrou o fôlego, percorreu uma jornada de recuperação como mencionei nos primeiros dias do nosso governo. Nós, ao assumirmos, encontramos uma crise bastante substanciosa”, disse.

Perseverança

O ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, que também estava no encerramento do Rio Oil & Gas 2018, revelou que as mudanças no setor passaram por intensas negociações com a Câmara e o Senado e que o governo não perdeu o sentido da perseverança. “Nós podemos dizer que o setor de óleo e gás voltou. Podemos dizer que o Brasil voltou porque conseguiu cumprir o dever de casa com uma política correta”, disse.

Para Moreira Franco, a definição de um calendário de rodadas da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a garantia da manutenção da concorrência e das informações disseminadas igualmente entre os investidores estão entre as medidas que ajudaram na recuperação do setor. “Reafirmo a confiança no setor e na nossa capacidade de negociação”, completou.

Novo governo receberá BNDES ágil e com recursos em caixa, diz Oliveira

  • set 28, 2018

O próximo presidente da República receberá o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) mais ágil e adequado às características atuais da economia. Segundo o presidente do banco, Dyogo Oliveira, a instituição vem passando por mudanças internas que ficarão como legado positivo ao novo governo.

“O BNDES estará, ao final deste ano, preparado para conviver com a nova realidade da economia brasileira. Uma economia que tem juros baixos e que está retomando o investimento. O BNDES está se preparando, inclusive internamente, com mudanças de processos, agilização das linhas de crédito, criação de vários novos produtos, mais adequados para cada tipo de empresa. Esse é o BNDES que será deixado de legado para o próximo presidente, com capacidade financeira, com recursos em caixa, com capacidade de emprestar e agilidade para fazer as suas operações”, disse Dyogo.

O ministro participou de evento, nesta quinta-feira (27), na sede do banco, no centro do Rio, quando foram anunciadas linhas de financiamento para energias renováveis, principalmente eólica e solar, no valor total de R$ 2,2 bilhões, sendo R$ 228 milhões provenientes do Fundo Nacional sobre Mudanças Climáticas.

Participaram do lançamento o presidente Michel Temer, os ministros do Meio Ambiente, Edson Duarte; do Planejamento, Esteves Pedro Colnago; e de Minas e Energia, Moreira Franco; além do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, e do prefeito, Marcelo Crivella.

Em seu discurso, o presidente Temer ressaltou a importância da energia renovável para o país e citou avanços ambientais em seu governo. Ele lembrou também sua passagem pela Assembleia-Geral da ONU, no início da semana.

Pessoas físicas

O presidente do banco explicou que os recursos se dividem em duas linhas, já disponíveis nas agências bancárias. “Uma mais voltada às empresas, com recursos do BNDES. E outra mais voltada às famílias e às microempresas, com recursos do fundo do clima. As linhas estão disponíveis na rede bancária. No caso da linha para empresas, já está operacional em toda a rede bancária. A outra linha, para as pessoas físicas e jurídicas, nos bancos públicos”, disse Dyogo.

A linha de crédito do fundo do clima oferecerá uma redução da taxa de juros e será oferecida a pessoas físicas e empresas. A taxa será de 4% anuais para quem tem renda anual de até R$ 90 mil e de 4,5% para quem tem renda maior. Haverá carência de três a 24 meses, com prazo de amortização de até 12 anos. Os financiamentos serão concretizados via Caixa, por meio de suas 5 mil agências espalhadas pelo país.

Painéis solares

A expectativa do governo é chegar à instalação de 18 mil painéis solares fotovoltaicos, principalmente em pequenas propriedades nas zonas rurais, a um custo entre R$ 15 mil a R$ 25 mil cada, além de projetos de energia eólica.

A linha principal do BNDES, para fontes renováveis, com dotação inicial de R$ 2 bilhões, por meio do Finame, é dirigida especialmente para condomínios, cooperativas, empresas e produtores rurais, com prazo de pagamento em até 120 meses e carência de até 24 meses. A contratação estará disponível online.

Indonésia quer adotar sistema eletrônico de votação brasileiro em 2024

  • set 28, 2018

Com votação ainda feita com cédulas de papel, a Indonésia está interessada em adotar um sistema eletrônico semelhante ao usado nas eleições brasileiras a partir de 2024. Para isso, uma comitiva com oito integrantes do Parlamento indonésio  visitou nesta semana o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília.

“O voto eletrônico desenvolvido no Brasil tem tudo o que necessitamos na Indonésia. No ano que vem, faremos eleições ainda no modelo de cédulas, mas esperamos que, nas eleições de 2024, possamos implementar sistema parecido com o modelo brasileiro”, afirmou o chefe da missão e vice-presidente da Câmara dos Deputados da Indonésia, Fahri Hamzah. Ele se disse impressionado com o sistema de voto eletrônico brasileiro.

Além de ter assistido a uma demonstração do funcionamento da urna eletrônica, a comitiva pôde fazer votações simuladas.O grupo também assistiu a uma palestra do secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, sobre todo o processo eleitoral brasileiro, com destaque para o sistema informatizado usado pela Justiça Eleitoral há mais de 20 anos.

Janino destacou que o Brasil deu início a um dos melhores sistemas eleitorais do mundo, principalmente no que diz respeito à segurança, quando passou a desenvolver o processo de votação eletrônico. Ele ressaltou que testes de segurança feitos antes de cada pleito garantem a lisura das eleições mo Brasil. Janino lembrou que, seis meses antes das eleições, esses sistemas podem ser examinados por integrantes de partidos políticos, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), do Supremo Tribunal Federal (STF), da Polícia Federal e de universidades.

Dúvidas

A delegação quis saber como os votos são inseridos na urna e as possíveis formas de violação de dados. O secretário de Tecnologia da Informação explicou que o equipamento não tem conexão com a internet, o que livra o sistema da invasão de hackers. “A Nasa [agência norte-americana responsável pela pesquisa e desenvolvimento de tecnologias e programas de exploração espacial] pode ser invadida, o Pentágono [sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos] pode ser invadido, um banco pode ser invadido, mas as urnas eletrônicas, não”, garantiu Janino.

O especialista também destacou a importância do cadastramento biométrico realizado no Brasil, afirmando que este processo também garante a segurança nas eleições, já que impede qualquer duplicidade de voto.

O TSE já recebeu representantes de mais de 70 países, oito já firmaram acordo de cooperação para receberem conhecimento da experiência brasileira.

*Com informações do portal do TSE