2 Rejuvenescedoras Receitas de Chá de Ervas

O autocuidado não é algo que deve ser confinado a uma época específica do ano, o surgimento de uma nova vida pode nos estimular a buscar novas abordagens para incorporar a generosidade materna em nossas próprias vida. Uma grande parte de uma rotina nutritiva de autocuidado envolve a conscientização para o que colocamos em nossos corpos e em nossos corpos. A nossa pele é o nosso maior órgão e com uma superfície tão grande é importante reconhecer que o que colocamos na nossa pele pode não só penetrar nas camadas mais profundas da nossa pele, mas ser absorvido pela nossa corrente sanguínea. É por isso que é importante, ao considerar uma abordagem holística do autocuidado, abordá-lo de dentro para fora.

Vapor Facial

Um vapor facial é uma forma simples e luxuosa de revitalizar a pele delicada dos nossos rostos. Vapores faciais abrem qualquer poros entupidos e trazem um brilho jovem à pele. Especialmente após o rigoroso clima de inverno, os vapores faciais podem servir a uma dupla finalidade, dependendo das ervas utilizadas, para limpar qualquer congestão no peito. Para esta receita, optamos por CAMOMILA para um vapor facial calmante e hidratante. Nós também adicionamos um pouco de óleo essencial de lavanda para uma experiência verdadeiramente carinhosa.

Ingredientes :

  • 4 xícaras de água quente
  • 2 colheres de sopa de chá de camomila
  • 2-5 gotas de óleo essencial de lavanda
  • 1 tigela ou bacia grande
1- Antes de cozinhar, limpe a pele, removendo toda a sujeira e maquiagem
2-Coloque suas ervas secas e óleos essenciais de lavanda em uma tigela grande ou bacia à prova de calor e adicione 4 xícaras de água fervida.
3-Sente-se em uma mesa com a tigela na sua frente, coloque uma toalha sobre a parte de trás da cabeça e coloque a cabeça sobre a tigela, cerca de 6-12 polegadas.
4-Feche os olhos, respire fundo e aproveite o vapor relaxante por 10-15 minutos. Siga o vapor com um spray de toner refrescante e um hidratante de sua escolha.

Infusão de óleo de ervas

A prática da abhyanga ou automassagem com óleos quentes é uma antiga prática ayurvédica que cruzou para o Ocidente e se popularizou no espaço de bem-estar, particularmente em spas.Um ato compassivo de amor-próprio, esta prática traz consigo muitos benefícios de aumentar a circulação, acalmar os nervos, aumentar a agilidade mental e auxiliar no processo de desintoxicação natural dos corpos.

Embora normalmente realizada de manhã, você pode facilmente fazer isso a qualquer hora do dia, de preferência depois de um banho ou a seco escovando a pele. Uma infusão de óleo de ervas do chá de camomila egípcia é perfeita para uma auto-massagem de corpo inteiro, enquanto incorporar folhas de hortelã-pimenta pode ajudar com um couro cabeludo seco. Enquanto qualquer óleo pode ser usado para esta receita,

Ingredientes:

  • 2 Colheres de sopa de Camomila
  • 2 Xícaras de óleo jojobal orgânico
  • 1 peneira
  • 1 caldeira dupla
1-Coloque seu óleo de camomila e jojoba em banho-maria e aqueça suavemente em fogo baixo por 3 horas.
2-Desligue o fogo e coloque o banho-maria na bancada para esfriar por 15 a 30 minutos
3-Despeje a infusão de camomila no frasco ou coe-o através de uma gaze em uma jarra de vidro e feche com uma tampa bem fechada.

O óleo infundido pode ser armazenado por até um ano em um local escuro e fresco e a vitamina E pode ser adicionada para aumentar a vida útil.

PROJETO de ESCOLA BRASILEIRA é ELEITO MELHOR do MUNDO em PRÊMIO INTERNACIONAL

PROJETO VENCEDOR é a ESCOLA da FUNDAÇÃO BRADESCO em CIDADE no INTERIOR do TOCANTINS, PROJETADA pelos curitibanos GUSTAVO UTRABO e PEDRO DUSCHENES, do escritório Aleph Zero. Presidente do Riba destaca a importância da arquitetura escolar
…………> Depois de terem sido escolhidos como os principais arquitetos emergentes de 2018 pelo Royal Institute of British Architects (RIBA), e terem levado uma coleção de prêmios internacionais ao longo deste ano, os arquitetos Pedro Duschenes e Gustavo Utrabo, do escritório Aleph Zero, foram coroados com o principal prêmio do RIBA: o Riba International Prize 2018. O anúncio foi realizado nesta quarta (21).

O título é um dos principais da área e é concedido ao melhor prédio do mundo segundo a instituição. O projeto responsável pelo feito é a escola e morada infantil da Fundação Bradesco construída na cidade de Formoso do Araguaia (TO), realizada em parceria com Marcelo Rosenbaum e Adriana Benguela.

IMERSÃO COM CRIANÇAS: A CONSTRUÇÃO DO PROJETO
A escola tem 540 alunos de 13 a 18 anos e funciona em regime de internato. Aberta há quase 50 anos, ela tem 23.344 m² de área construída. Um dos objetivos dos arquitetos foi construir um ambiente que permitisse um modo de vida mais prático e confortável, facilitando o processo de aprendizagem.

Para isso, foram realizados workshops com os alunos para entender sua relação com a arquitetura. O processo levou cerca de 10 dias. “[O objetivo foi] tentar trazer as crianças pra perto e mostrar que a arquitetura em que elas vão morar não é algo distante. Isso é trazer às crianças a sensação de pertencimento do projeto”, afirma Utrabo.

Os resultados impactaram do desenho da planta ao material utilizado. Se antes os estudantes eram divididos em dormitórios de 40 alunos, com o novo projeto os quartos passaram a abrigar apenas seis. Foram utilizadas matérias-primas que conversassem com as paisagens do cerrado e que resgatasse as tradições da região, como tijolos de barro confeccionados na própria Fazenda Canuanã e madeira.

Utrabo ressalta a necessidade que o Brasil tem de uma arquitetura menos excludente e mais voltada a projetos sociais. “Só é possível fazer uma realidade melhor se a gente pensar em todos. Ao mesmo tempo em que [a arquitetura] tem esse trabalho quase árduo de criar barreiras, ela propicia a noção da liberdade. Esse tipo de projeto, que tem uma conotação social, é uma maneira de proporcionar momentos de liberdade de convívio em uma relação sadia”, explica.

 

O RIBA
Sobre a o resultado do prêmio, o presidente do Riba, Ben Derbyshire, disse estar muito satisfeito com o reconhecimento dado ao projeto da Fundação Bradesco. “A Aleph Zero tem arquitetos com pensamento filosófico e reflexivo, enquanto Rosambaum já é conhecido por seu trabalho com comunidades locais. As moradas infantis proporcionam um ambiente excepcional, pensado para melhorar a vida e o bem-estar dos alunos, e ilustra o valor imensurável de um bom design educacional“, afirmou, em comunidado.

 

O júri do prêmio foi composto por um time de peso: Elizabeth Diller, Joshua Bolchover, Kazuyo Sejima, Gloria Cabral e Peter Clegg, todos grandes nomes da área. A escolha aconteceu entre os cinco prédios finalistas, que incluía, além da escola brasileira, um conjunto de dois prédios residenciais em Milão, um campus da Universidade Europeia Central, em Budapeste, e a escola de música Toho Gakuen, em Tóquio.

O projeto da Aleph Zero também já foi premiado pelo ArchDaily Building of the Year 2018, o Prêmio de Arquitetura Tomie Ohtake AzkoNobel e o Prêmio Saint-Gobain de Arquitetura.