Connect with us

Noticia Brasil Online

Bolsonaro amplia presença de militares da ativa no governo

POLITICA

Bolsonaro amplia presença de militares da ativa no governo

Na formação de seu governo, Bolsonaro, vindo de um partido pequeno e sem alianças, buscou nas Forças Armadas militares para postos-chave, além do vice, Hamilton Mourão. Todos os escolhidos estavam na reserva, a exceção de um, o almirante Bento Albuquerque (Minas e Energia). Estão na reserva ou reformados, além de Mourão: o general Santos Cruz (ex-Secretaria de Governo), o general Augusto Heleno (GSI), o general Fernando Azevedo e Silva (Defesa), o tenente-coronel da Aernáutica Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), o capitão do Exército Tarcísio Freitas (Infraestrutura) e o capitão do Exército Wagner Rosário (CGU).

Com a indicação do general de Exército Walter Souza Braga Netto para a Casa Civil, Bolsonaro não só amplia a participação dos militares da ativa no seu governo, como cria uma situação inédita desde a redemocratização. O último ministro militar a ocupar a Casa Civil, cujo nome já carrega seu caráter civil, foi o general Golbery do Couto e Silva. Ele deixou o governo Figueiredo em 1981, três anos antes do fim do regime militar e foi sucedido por dois civis: João de Carvalho Oliveira e João Leitão de Abreu.

Além de Bento e, possivelmente Braga Netto (as mudanças na Esplanada ainda não foram oficializadas pelo Planalto), o governo Bolsonaro já tinha colocado outro militar da ativa dentro do Palácio do Planalto: Luiz Eduardo Ramos substituiu o general Santos Cruz e vem ganhando espaço por ser considerado o responsável pela melhora na interlocução do governo com o Congresso.

Da reserva da política militar, veio ainda o ministro Jorge Oliveira para a Secretaria-geral da Presidência após a tumultuada saída de Gustavo Bebbiano, que era da “ala política”. Se Braga Netto for confirmado para a Casa Civil e Onyx para a Cidadania, o governo Bolsonaro passará a ter, além de Mourão, cinco ministros da reserva e três da ativa, sendo um deles na Casa Civil. Outro militar da ativa é o porta-voz Otávio Rego Barros, general do Exército.

A ampliação da presença de militares da ativa no governo Bolsonaro é simbólica porque aumenta o vínculo institucional do Executivo com as Forças Armadas. Tanto Ramos, quanto Bento e Braga Netto, se assumir, estarão em postos-chave, representando a alta cúpula das Forças Armadas no governo, trabalhando perto do presidente e à exceção de Bento, trabalhando diretamente com a articulação política.

Comentários
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em POLITICA

Em Alta

Estamos no Twitter

BRASIL

To Top