A face da esquerda: Morales quer promover distúrbios na Bolívia com escassez de comida

“Irmãos, não deixem que entre comida nas cidades, vamos fazer um cerco às cidades”, diz Morales em áudio.

Arturo Murillo, ministro do Governo da Bolívia, apresentou, nesta quarta-feira (20), um vídeo no qual um líder camponês, identificado como Faustino Yucra Yarwui, conversa por telefone com o ex-presidente Evo Morales, que está exilado no México após tentar fraudar as últimas eleições.

Em um vídeo compartilhado pelo ministro, Morales é ouvido dando ordens para manter a escassez de alimentos que afeta o país:

“Irmãos, não deixem que entre comida nas cidades, vamos fazer um cerco às cidades… Agora estamos vivendo na ditadura, esta é a ditadura. Alguns não entendem, mas agora as pessoas vão ver o que é viver a ditadura com o golpe de Estado.”

O líder indígena acrescentou:

“Divida o sindicato em quatro ou cinco grupos […] Se alguém se cansar, as pessoas vão embora, mas se forem em grupos que se revezam, a gente aguenta o bloqueio […] Se a Assembléia rejeitar minha demissão, tentarei voltar, mesmo que eles me parem.”

Ao comentar sobre o áudio de Morales, o ministro Murillo informou que será apresentado uma denúncia contra o ex-mandatário boliviano:

“Evo Morales ordena que não entre comida nas cidades, isso é um crime contra a humanidade. Não pode ser assim, os bolivianos acreditaram nele, 70% dos bolivianos votaram nele e hoje em dia [ele] ordena que matem de fome o seu povo.”

Informação RENOVA.

Este site utiliza cookies